Vitralizado

Posts com a tag Juscelino Neco

Entrevistas / HQ

Papo com Juscelino Neco, o autor de Matadouro de Unicórnios: “O limite da violência gráfica é a consciência do autor”

A recém-lançada Matadouro de Unicórnios é a primeira HQ de Juscelino Neco em seguida ao blockbuster internacional Zumbis para Colorir. Antes do álbum de 2015 chegar a países da Europa e em Taiwan, o quadrinista publicou Parafusos, Zumbis e Monstros do Espaço. O terceiro quadrinho de Neco publicado pela Veneta escancara de vez o gosto do autor por produções B de terror e apresenta um dos protagonistas mais repulsivos da história recente dos gibis nacionais.

Sobre um ghost writer transformado em assassino serial e autor de sucesso, Matadouro de Unicórnios mostra a colisão de alguns mundos. É um choque entre os filmes recentes de Woody Allen sobre sorte, azar e casualidades com as comédias dramáticas de erros dos irmãos Coen. Os traços e os design de páginas práticos, funcionais e modernos do quadrinho dialogam com o trabalho de autores em ascensão na indústria de HQs, como o norte-americano Box Brown.

Pesquisador e estudioso da história dos quadrinhos, Neco criou uma trama explicitamente inspirada em gibis de terror publicados na década de 30 e de gostos duvidosos já naquela época. Matadouro mistura influências de clássicos da editora EC Comics com elementos de obras italianas do gênero Giallo. O resultado é uma HQ chocante e extremamente divertida. Bati um papo por email com Juscelino Neco. Ele falou sobre as origens do gibi, suas inspirações na produção do quadrinho, violência gráfica e próximos projetos. Papo bem bom. Ó:

“Acho que violência gráfica é uma das coisas mais divertidas que existem e o único limite é realmente a consciência do autor”

matadouroA

Continue reading

HQ

A capa de Matadouro de Unicórnios, o próximo quadrinho de Juscelino Neco

A Veneta divulgou a capa de Matadouro de Unicórnios, próxima HQ do Juscelino Neco, e confirmou o lançamento do gibi pra maio. Gosto muito do título, na mesma linha de raciocínio bizarra dos dois trabalhos prévios do autor, Zumbis para Colorir e o ótimo Parafusos, Zumbis e Monstros do Espaço. E cê sacou o diálogo da arte da capa com o pôster de Giallo do Dario Argento, né? Somando a capa cheia de sangue, com o título nonsense e a referência explícita ao pôster de um filme homônimo de um dos gêneros mais carniceiros do cinema, acho que o recado tá dado: a HQ não é pra todo mundo.

Giallo