Vitralizado

Posts na categoria Entrevistas

Entrevistas / HQ

Papo com Julio Shimamoto, autor de O Ditador Frankenstein: “Sinto muito orgulho de ter exercido meu papel de cidadão, me servindo da arte como minha arma de protesto”

Entrevistei o quadrinista Julio Shimamoto para escrever sobre a coletânea O Ditador Frankenstein e Outras Histórias de Terror, Tortura e Milicos para a Sarjeta, minha coluna mensal sobre histórias em quadrinhos no site do Instituto Itaú Cultural.

O meu texto é focado principalmente nos 18 dias de 1969 que o artista passou preso entre as sedes da Operação Bandeirante (Oban) e da Delegacia de Ordem Política e Social (DOPS), órgãos do governo militar voltados para a captura, tortura e assassinato de indivíduos considerados subversivos pelas autoridades da época.

Você lê aqui o meu texto sobre O Ditador Frankenstein, obra lançada pela editora MMArte e editada e organizada pelo quadrinista, pesquisador e músico Márcio Paixão Júnior.

Reproduzo agora a íntegra da minha entrevista com Shimamoto. Na conversa a seguir ele aprofunda seus temores sobre o Brasil presidido por Jair Bolsonaro, fala sobre como vem enfrentando seu período de isolamento social durante a pandemia do novo coronavírus e trata de sua busca constante por novas técnicas de trabalho.

“Hoje prefiro lidar mais com ferramentas do que desenhar”

Quadros de uma das HQs presentes na coletânea O Ditador Frankenstein, de Julio Shimamoto (Divulgação)

Antes de tudo, como vai o senhor? Como o senhor está encarando a pandemia do coronavírus?

Aqui  estamos bem, confinados dentro de nosso ‘bunker’, mas quatro vizinhos de nossa quadra se foram devido à COVID-19.

Mesmo como quadrinista, eu jamais seria capaz de imaginar uma pandemia como essa, capaz de deixar o mundo inteiro de joelhos.

O contexto de isolamento social afetou de alguma forma a sua rotina diária?

Sou do tipo eremita, daqueles que pagam para não sair de casa, logo não me sinto nem um pouco afetado por causa do confinamento compulsório. Mas me incomoda o fato de não poder sair para comprar um simples eletrodo numa casa de ferragens, mesmo estando localizada perto de minha casa. Pedi por telefone por recomendação de minhas filhas. Ah, devo esclarecer que hoje prefiro lidar mais com ferramentas do que desenhar…

Qual a memória mais antiga que você tem da presença de quadrinhos na sua vida?

Tinha cinco anos de idade, em 1944, no distante sertão próximo das divisas de São Paulo com Mato Grosso, quando papai, ao retornar de uma viagem, me trouxe de presente três revistas de quadrinhos: Gibi, Globo Juvenil e Guri. Foram os presentes mais marcantes da minha vida.

“O desenhista também pode acabar virando canastrão se seguir produzindo no modo ‘piloto automático'”

Página de uma das HQs presentes em O Ditador Frankenstein, de Julio Shimamoto (Divulgação)

O que mais interessa ao senhor no uso da linguagem dos  quadrinhos?
 
O timing ou o ritmo da narrativa e a ênfase na ação.

Em termos de fantasia e terror, gêneros predominantes em O Ditador Frankenstein, quais são as principais leituras e influências do senhor?

Serei abrangente. Movido por curiosidade, sou um leitor eclético que aprecia ler sobre diversos assuntos. Mas tive minhas fases específicas. Na pré-adolescência li muitos livros de aventura de autores como Rudyard Kipling, Karl May e Monteiro Lobato. Na adolescência mergulhei nos livros policiais de Ellery Queen, Agatha Christie, Conan Doyle e Raymond Chandler. E na ficção científica: Isaac Asimov, H. G. Wells, Julio Verne e Arthur C. Clarke. Passei a ler os livros de terror por necessidade profissional, a fim de estudar a estrutura narrativa do gênero: Edgar Alan Poe, H. P. Lovecraft, E.T.A. Hoffmann,  Bram Stocker. O Ditador Frankenstein é uma coletânea de HQs de terror de vários autores, onde me incluo,  sem influências específicas, a não ser o foco comum no autoritarismo e na repressão. Essas HQs todas foram produzidas no período da ditadura militar no Brasil. 

O Márcio Jr publicou com o senhor o Cidade de Sangue e agora a coletânea O Ditador Frankenstein, são obras produzidas a partir de técnicas muito distintas, correto? O senhor pode falar um pouco sobre as suas técnicas, por favor?

Exatamente. Costumo variar de estilo para não sentir tédio. O desenhista também pode acabar virando canastrão se seguir produzindo no modo ‘piloto automático’. Ninguém gosta de repetir o mesmo prato todos os dias. Ao buscar um traço distinto para cada trabalho, sinto-me desafiado, e bastante motivado.  

O senhor tem alguma técnica preferida no momento?

Sim. Gosto muito do estilo xilográfico, mas não da forma de fazê-lo, entalhando com formão ou goiva a superfície da tábua. É muito trabalhoso e demanda tempo excessivo. Desenvolvi uma técnica bem mais simples, que chamo de ‘esvaziamento’: cubro uma cerâmica ou azulejo branco com tinta acrílica preta fosca, e depois de seca, desenho figuras em cima por raspagem, usando ponta de prego ou de espetinho de bambú. O efeito é de autêntica xilografia.

“Externar essa insatisfação nos quadrinhos era a nossa forma de protestar e expurgar nossa contrariedade”

Página de uma das HQs presentes em O Ditador Frankenstein, de Julio Shimamoto (Divulgação)


Ao longo de O Ditador Frankenstein também são apresentadas algumas técnicas distintas, certo? Quais eram os seus materiais preferidos na época?

Correto. Pincel, bico de pena, palito de dente, aerógrafo e água sanitária.

Como era a dinâmica de trabalho do senhor com os roteiristas e outros profissionais envolvidos na produção das HQs de O Ditador Frankenstein?

Nada excepcional. No Rio de Janeiro, eu ia até as editoras apanhar os roteiros, e das que ficavam em outros estados recebia por correio. Naquela época não havia fax, nem internet. O contato entre roteirista e desenhista era zero.

Por mais fantásticas que sejam, acho que as melhores histórias de terror tratam da nossa realidade, do nosso mundo, do nosso presente. O Ditador Frankenstein assusta exatamente por isso, mesmo as tramas com elementos mais fantásticos estão falando de terrores reais, como censura e tortura. Foi desafiador, de alguma forma, tratar de temas tão sérios e atuais dentro dos gêneros que o senhor e seus parceiros criativos escolheram trabalhar?

Havia o risco de cairmos na malha da censura, mas também era insuportável o sentimento de repulsa em relação ao regime de força a que todos estávamos submetidos. Externar essa insatisfação nos quadrinhos era a nossa forma de protestar e expurgar nossa contrariedade.

O que o senhor pensa ao ver esses trabalhos publicados há tantos anos serem reeditados no Brasil de 2020?

Foi do Márcio Júnior a ideia de republicar esses trabalhos, diante da ameaça da ideologia extremista que está em fermentação crescente no país, e concordei de imediato. Essas HQs podem ajudar os leitores mais distraídos a enxergar o sinal amarelo no nosso cotidiano político.   

“Se desaparecesse naquele quartel, torturado e morto, ninguém no mundo ficaria sabendo”

A capa da coletânea O Ditador Frankenstein, de Julio Shimamoto (Divulgação)


O que representava para o senhor trabalhar em histórias sobre a ditadura durante a ditadura? E o que representa para o senhor hoje ter feito esses trabalhos durante a ditadura e sobre a ditadura?

Acho que foi respondida antes. Essas HQs serviram como nossa válvula de descompressão da raiva contra a ditadura. Sinto muito orgulho de ter exercido meu papel de cidadão, me servindo da arte como minha arma de protesto.  

O senhor vê paralelos entre o Brasil pós-golpe de 64 e a nossa realidade atual? Se sim, quais seriam?

A tensão se assemelha, mas o contexto difere completamente. O golpe de 64 tinha componente externo, motivado pela Guerra Fria (EUA x União Soviética). Nossos generais e nossos políticos conservadores estavam alinhados com os EUA, e o governo vigente exercia a neutralidade,  mantendo intercâmbio com socialistas e com capitalistas. 

Hoje temos um militar no governo eleito democraticamente, mas que está militarizando toda a estrutura para buscar presidir o país monocraticamente, como numa ditadura. Está tentando sufocar o Congresso e o Judiciário.

O Márcio também fala no prefácio sobre o período do senhor detido nas sedes da Oban e do Dops. Quais sentimentos e memórias o senhor tem desse período preso?

Foi uma experiência terrível e única, igual a pesadelo desperto. Imagine ser detido no meio de seu trabalho cotidiano e ser levado preso e jogado num xadrez sujo, sem água na pia, sem leito, sem chuveiro, e sem vaso na privada (apenas um buraco sobre esgoto), e uma única refeição por dia, temperada com salitre para inibir sua libido, servida em prato encardido, mal-lavado de propósito para abater seu moral e sua dignidade. Tinha que dormir no chão sob uma folha de jornal, assaltado pelas pulgas. A insônia era provocada pelos gritos lancinantes, principalmente de mulheres que estariam sendo torturadas. Isso em 1969, e a Oban era dirigida pelo [Carlos Alberto] Brilhante Ustra, coronel carniceiro, reverenciado por Bolsonaro como grande herói nacional.  Isso sem direito a nenhum advogado. Se desaparecesse naquele quartel, torturado e morto, ninguém no mundo ficaria sabendo.

“Eu acho maravilhoso estar vivo”

Página de uma das HQs presentes em O Ditador Frankenstein, de Julio Shimamoto (Divulgação)


O que o senhor sente quando vê o atual presidente se dizer um admirador de Carlos Alberto Brilhante Ustra?

Deveria sentir arrepio, mas tal afirmação só me desperta profundo desprezo e asco.

Tenho curiosidade em relação à visão de mundo do senhor no momento. O que o senhor acha que está acontecendo com o mundo? O senhor é otimista em relação ao nosso futuro?

Eu acho maravilhoso estar vivo, apesar dos meus 81 anos de vida. As coisas que vivenciei até agora, boas e más, fazem parte desse fenômeno que é viver. Sei que não viverei muito tempo, e estou sendo muito sovina com o tempo que me resta, e não planejo mais fazer quadrinhos, salvo alguma exceção extraordinária. Estou ilustrando capas e fazendo ilustrações avulsas, mas o que prezo mesmo é lidar com ferramentas, até onde eu tiver forças e lucidez. O mundo não será pior nem melhor, será sempre o que foi, com gerações se revezando em conflitos e em paz. Com pandemia ou sem pandemia.

O quadrinista Julio Shimamoto (Divulgação/Márcia Yumi)
Entrevistas / HQ

Papo com Panhoca, editor da revista Pé-de-Cabra: “A televisão nos permite sair da nossa bolha e ter contato com o Brasil de verdade”

Os trabalhos dos 44 artistas responsáveis pelas 108 páginas da revista Pé-de-Cabra tem como foco televisão. O curador e editor da publicação, Carlos Panhoca, disse ter escolhido o tema porque acredita que a TV permite acesso ao “Brasil de verdade”.

“O campo de batalha REAL, político e social, é todo ali”, diz Panhoca. “Presidentes tomam golpes, carreiras são arruinadas, Geisy Arruda é alçada ao estrelato. Tudo acontece ali”.

Lançada anualmente desde 2018, a revista teve a capa de sua edição de estreia assinada pelo francês Pochep, a capa do segundo número com arte de Emilly Bonna e agora a ilustração da capa ficou com Benson Chin, membro do coletivo O Miolo Frito.

Assim como fiz às vésperas do lançamento da primeira e da segunda edições, volto a entrevistar Panhoca. Falamos principalmente sobre o tema escolhido por ele para esse terceiro número, mas também sobre o impacto da pandemia na cena brasileira de HQs e sobre as investidas dele como entrevistador na série De Frente com Panhoca.

Compartilho a seguir os nomes dos artistas participantes da nova Pé-de-Cabra e, depois, a minha conversa com o editor. Ó:

Benson Chin, Bernardo França, Karina D’Alessandre, Fralvez (responsável pelo quadro que abre o post), Andre Nicolau, Victor Bello, Bruna MZF, Beatriz Shiro, Adriane Palmira, Renan Cesar, Fabio Lyra, João B. Godoi, Emilly Bonna, Señor Gualda, Moletom Fantasma, Arame Surtado, Bruno Nascimento, Mari Sori, Chico Feliz, Pietro Soldi, Guilherme Caldas, Olavo Rocha, Kellen Carvalho, Iara Darkka, Leonardo Prado, Paulo Patrocinio, Thiago Souza, Victor Stephan, Marco Viera, Pedro D’Apremont, Lobo Ramirez, Fabio Zimbres, Kainã Lacerda, Sama, Adriano Janja, Batista, Carambola, Eme Podre, Jadiel Jorake, Carlos Carcasa, Cynthia B., Braian Malfatti e Galvão Bertazzi.

Qualquer um que esteja assistindo De Férias com o Ex sabe o que o brasileiro pensa

Quadro da HQ de Fabio Lyra presente na Pé-de-Cabra #3

Queria começar dizendo que me sinto intimidado em entrevistar aquele que se tornou o maior entrevistador dos quadrinhos nacionais. Como tem sido para você a experiência como entrevistador na série De Frente com o Panhoca?

Hahahaha, são seus olhos, Ramon. Isso aí tem sido interessante. Na realidade a maior parte das entrevistas foram feitas em quatro dias, num momento de extremo tédio e pouca paciência de checar se os amigos estavam bem perguntando um por um “e aí, tudo bom?”. Paralelamente a isso, aumentou a quantidade de amigos que não são leitores assíduos de gibi nacional e me perguntavam por recomendações de leituras. Acho que funciona um pouco como divulgação e forma de mostrar que estamos relativamente bem.

E como você tá? Como a pandemia e o cenário político horrendo que estamos vivendo tão influenciando a sua rotina e a sua produção? Aliás, foi difícil para você optar por lançar a revista mesmo com a pandemia?

Cara, eu tô fodido, né? Eu pego pelo menos quatro ônibus por dia pra ir pro meu trabalho porque eu trabalho na cidade vizinha. Aqui em Curitiba eles reduziram a frota (?) pra evitar aglomerações. Aí quando me mandaram voltar pro trabalho eu pedi férias. Em algum momento isso vai acabar e eu vou ter que contar a sorte pra sobreviver à rotina. Mas voltando pra produção: eu fico em casa e desenho sempre que vem uma ideia boa (às vezes a ideia boa é ruim). Então o ritmo é bem maior, antes eu desenhava só na hora do almoço do meu emprego ou no ônibus. A decisão de lançar a revista no meio de uma pandemia é totalmente kamikaze, eu fico dependente unicamente de tentar vender a revista com postagens nas redes sociais. Não sei ainda se dessa vez ela vai se pagar. Espero que sim. Eu planejava vender toda a tiragem dela esse ano e fomentar as outras publicações e, quem sabe, realizar um sonho de ter um felino de porte grande no meu apartamento. Vamos ver o que tem por aí.

“UBA, UBA, UBA, Ê!”

Quadro da HQ de Kellen Carvalho presente na Pé-de-Cabra #3

Por que televisão como o tema dessa terceira edição?

Direto ao ponto: eu sou um viciado. Eu acho a televisão fascinante porque ela nos permite sair da nossa bolha e ter contato com o Brasil de verdade. A gente fala muito sobre furar a nossa bolha e não temos noção nenhuma da forma como a lavagem cerebral se dá com todos aqueles canalhas humilhando classes mais pobres em auditórios para reformar seus carros ou tunnar a sorveteria da família, etc. A televisão, assim como as equipes de vôlei, são instrumentos antropológicos extremamente subestimados como estudo de sociedade. Qualquer um que esteja assistindo alguma temporada de De Férias com o Ex sabe o que o brasileiro pensa e como ele se comporta. O campo de batalha REAL político e social é todo ali. Presidentes tomam golpes, carreiras são arruinadas, Geisy Arruda é alçada ao estrelato. Tudo acontece ali.

Nós dois temos mais ou menos a mesma idade, acho que grande parte da sua infância também foi nos anos 90, sendo o Gugu uma figura muito emblemática do imaginário televisivo brasileiro. A morte dele no final do ano passado pesou de alguma forma na escolha desse tema?

UBA, UBA, UBA, Ê!! hahahahahaha Eu não sei quantos anos você tem, mas eu to nos meus 30 já. O Gugu fez parte da infância desde os hits ridículos do Pintinho Amarelinho até toda a pornografia disfarçada de quadro vespertino. O tema já tinha sido escolhido na época da morte dele, mas acho que uma coisa acabou se mesclando à outra. Por algumas semanas todos nós falamos muito do Gugu. Eu tenho uma tatuagem do Gugu (do gibi, o Gugu Punk) na perna. O Gugu fez pela televisão brasileira algo que os outros não fizeram: ele extrapolou todos os limites da sanidade testando até onde o brasileiro acredita em qualquer merda que passe na televisão. A autopsia do ET de Varginha, a entrevista dos falsos membros do PCC, quando ele desenterrou o corpo de Dercy Gonçalves para verificar se ela realmente havia sido enterrada de pé. Eu acho isso tudo fascinante. Pra mim, foi como se eu tivesse perdido um amigo, um irmão.

“Costumo ver o Fofocalizando pra me antenar no mundo dos famosos”

Quadro da HQ de Pietro Soldi presente na Pé-de-Cabra #3

Eu queria saber sobre a sua relação com televisão. Quais foram os programas de TV que marcaram a sua infância? Quais são as suas séries preferidas? Você tem algum apresentador de TV preferido?

Eu adoro televisão. Quando eu era pequeno eu gostava muito de Supermarket, de O Mundo de Beakman, das propagandas do Walter Mercado e do Chaves. Hoje em dia eu costumo ver, sempre que posso, o Fofocalizando pra me antenar no mundo dos famosos e ver o programa do Rodrigo Faro, onde aprendo incríveis cantadas e conhecimentos para relacionamentos duradouros. Eu gostei muito da participação do João Kleber em A Fazenda, mas depois dele fazer propaganda pra Havan eu não consegui mais olhar para ele. De séries eu assisti recentemente todo o Bojack Horseman (série incrível, recomendo demais), eu assisto sempre que sai temporada nova Kobra Kai (que é uma continuação com os atores originais do Karate Kid, um dos melhores Sessão da Tarde existentes) e eu também vejo sempre que possível Largados e Pelados e Todo Mundo Odeia o Cris. Eu também vejo muito desenho animado. Os brasileiros tão apavorando agora. Um abraço pra equipe do Oswaldo e do Irmão do Jorel. E também não posso deixar de fora o De Férias com o Ex e defendo que Jhenyfer Bifão é a grande personagem televisivo dessa década.

Você anunciou a convocatória para esse terceiro número lá em dezembro, quando o coronavírus ainda tava mais ou menos limitado ao território chinês. A revista tá saindo em um momento em que as pessoas estão em quarentena (ou pelo menos não deveriam estar saindo de casa). A sua relação com a televisão mudou de alguma forma desde o início dessa realidade de isolamento social?

SIM. A gente pegou TV a cabo depois de trancafiados. Maratonei com minha namorada o Bojack Horseman e agora estamos viciados no Largados e Pelados. É fascinante como o ser humano consegue vencer grandes desafios na selva só com seus conhecimentos de sobrevivência. Frio, animais selvagens, parceiros veganos, insetos, eles mesmos… O ser humano é testado ao limite nessa série, você devia tentar, Ramon. Assistir a série no caso, não saia pelado no meio do mato.

“Sonhei que estava sendo entubado e o respirador era uma Iogurteira TopTherm”

Quadro da HQ de Arame Surtado presente na Pé-de-Cabra #3

O Pochep assinou a capa da primeira revista, a Emily Bonna fez a capa da segunda e o Benson assina a capa da terceira edição. Por que ele? Você passou alguma instrução ou direcionamento para o que queria?

Eu gosto muito do trampo de toda a rapeize d’O Miolo Frito. Acho uma das melhores revistas do gibi nacional. E a capa de uma revista é onde muita gente vai ter o único contato com ela. Se a capa não for boa, talvez não venda. Aí tu soma as cores vibrantes que o Benson usa nos trabalhos dele com as artes com bastante informação que ele faz. Acho que pesou as artes que ele fez pra loja Monstra em São Paulo e o postal que fez no aniversário de seis anos do teu blog. Aquela arte dele do ELE NÃO também foi a minha favorita da época. Acho que foi isso. Ou talvez eu esteja dando vantagem a ele por ser mais bonito que a maioria dos capistas brasileiros. Nunca saberemos.

Na época do lançamento da primeira edição você comentou como foi uma experiência muito mais complicada do que você esperava. No segundo número você falou do excesso de trabalhos enviados, da sua mudança e da briga com um vizinho. O que você pode contar da produção dessa terceira edição?

Porra, a gente acha que vai ficar cada vez mais fácil e cada ano que passa é mais complicado. Dessa vez tive de novo o problema de excesso de material bom. Eu tento não pensar muito nos trabalhos que não usei porque eu tenho realmente dúvidas se eu fiz a melhor escolha possível entre eles. Talvez essa versão da Pé-de-Cabra #3 não seja a melhor versão que eu poderia fazer com o que tinha em mãos, mas foram tantas versões nesse espaço de tempo que eu não quero revisitar esse mundo de stress e escolhas difíceis. Além disso eu tava bem estressado com o avanço do coronavírus no Brasil. Ficar martelando quadrinhos sobre televisão e informações sobre o corona em todos os intervalos da TV definitivamente não fez muito bem pra minha cabeça. Houve uma noite em específico que eu sonhei que estava sendo entubado e o respirador do hospital que eu estava era uma Iogurteira TopTherm. Esse tipo de coisa acaba com o dia de qualquer um. Você passa o resto do dia com a voz da Aracy na cabeça pensando em morte. Teve outra coisa complicada: o conteúdo da nossa TV é totalmente inadequado. A TV brasileira (a gringa também, mas tô fazendo um recorte aqui) é totalmente baseada na exploração do cidadão pobre e na ultrassexualização de absolutamente tudo, desde programa infantil até bandeirinha do futebol. É muito arriscada a escolha de materiais com essas temáticas sem dar corda ou moral pra esse lado. É aquele lance do humor ser um lance vetorial, tem de ver pra onde está apontada a piada. Você não vai rir do coitado que tá sendo explorado ali, você pode usar ele em histórias e mostrar o quão cuzão são os apresentadores ou o telespectador que vibra com essas coisas. Fora isso tudo, ainda tem o lance da diversidade: nós temos canais de ABSOLUTAMENTE TUDO e eu tentei fazer o maior apanhado de temas diferentes dentro da TV, para que a revista parecesse mesmo como se você fosse o jovem Carlinhos Panhoca indo para a casa da Vó Carmelina em São José dos Campos e tendo a sua primeira experiência com uma tv com um monte de canais a mais do que a da tua casa. Enfim, muita coisa, muita escolhas e poucas certezas.

“Fiquei bem feliz com a diversidade de temas explorados por todos os participantes”

Quadro da HQ de Marco Vieira presente na Pé-de-Cabra #3

Essa terceira Pé de Cabra é o sétimo título do selo desde o lançamento da primeira edição da revista. O quanto simplificou e facilitou para você o processo de edição e distribuição de uma obra desde a estreia da revista lá em março de 2018?

A gente fica mais esperto, mais ágil, com mais lábia e alguns quilos mais magro. O que não muda é a minha habilidade de fazer um pacote. Os pacotes continuam todos horrorosos, com muita fita desnecessária e formatos não convencionais.

E agora com a revista impressa, que balanço você faz entre o que tinha imaginado entre o instante em que escolheu o tema e agora que já tem a edição em mãos?

Ela é mais bonita do que eu esperava. Ela sempre fica mais bonita do que eu esperava. Eu fiquei bem feliz com a diversidade de temas explorados por todos os participantes. Uma gama incrível de entretenimento, desde final da Libertadores ao Roda Viva (PROGRAMA CHATO PRA CARALHO). A revista também tem dezoito páginas a mais do que o planejado. Não deu pra manter no tamanho da outra.

“Sou movido a grandes expectativas e esperanças que eu aprendi vendo televisão”

Quadro da HQ de Pedro D’Apremont presente na Pé-de-Cabra #3

O que mais te surpreendeu nesse número? Há algum trabalho específico impresso na revista que te marcou de alguma forma?

Eu me surpreendo com a quantidade de gente que publicou pela primeira vez na Pé-de-Cabra. 50% dos autores dessa edição nunca tinham participado antes. Além disso tive o prazer de publicar a primeira página de gente que nunca tinha publicado fora do Instagram. Isso dá uma satisfação bem grande. E ao mesmo tempo que sai material dessa galera dando uns primeiros passos na publicação tem ao lado gente consagrada como o Zimbres. Quanto a trabalhos específicos é difícil escolher porque no final eu escolhi todos ali porque gostei deles. Acho a HQ do Lyra um tapa na cara muito foda. Acho a HQ do Marco Vieira uma das mais bonitas da edição. O trabalho da Bruna MZF e a da Arame Surtado são muito bons também. Temos uma variedade de estilos e técnicas incríveis nessa edição.

“Em algum lugar do futuro o Marcos Pasquim está se preparando para voltar e nos salvar”

Duas páginas da HQ de Fabio Zimbes presente na Pé-de-Cabra #3

Você já tem em mente um quarto número da revista? Aliás, o quanto a pandemia afetou os seus planos para o selo? O seu planejamento para 2020 foi afetado de alguma forma por conta do coronavírus?

Olha, eu acho que dessa vez fodeu. A maior parte das minhas vendas são em feiras e lançamentos presenciais. Não sei se conseguimos recuperar dinheiro o suficiente para lançar a Pé-de-Cabra #4 em 2021, mas você que está nos assistindo aí em casa, você pode comprar uma AirFryer, um George Foreman Grill a menos no Polishop e fortalecer a gente pra continuar com a revista. É isso mesmo. E ligando agora mesmo você leva de brinde um sinceríssimo OBRIGADO, SENHOR CLIENTE. Mas voltando, ainda tem algum dinheiro em caixa e vamos torrar ele com outras publicações que pretendo soltar esse ano ainda. O próximo gibi, do Chico Felix, tá quase pronto. É um gibi em parceria com a Revista Prego e estamos só fechando uns últimos detalhes de logística antes de começar a mandar ver.

Você é figura constante nas feiras de quadrinhos e publicações independentes ao longo dos últimos anos e esses eventos são fundamentais para a manutenção desse cena de HQs na qual a Pé-de-Cabra está inserida. O quanto você acha que essa nossa atual realidade tende a impactar esse ambiente em um futuro próximo?  

Olha, é difícil imaginar. Eu particularmente fico na torcida por uma vacina já no começo de 2021. Sabe, Ramon, eu sou movido a grandes expectativas e esperanças que eu aprendi vendo televisão. Lembra dos estudos do Dr. Albieri em O CLONE? Lembra das previsões de Eugênio, o menino gênio de Os Mutantes – Caminhos do Coração? Lembra do Esteban do Futuro em Kubanacan? Eu acredito que a realidade imita a ficção e em algum lugar do futuro o Marcos Pasquim está se preparando para voltar e nos salvar.

A capa da Revista Pé-de-Cabra #3, com arte de Benson Chin
Entrevistas / HQ

Papo com Nick Drnaso, autor de Sabrina: “Ninguém acha que está vendo notícia falsa ou distorcida, então, é difícil pensar no que eu mesmo consumo”

É difícil imaginar um quadrinho mais atual e relevante do que Sabrina. Sua repercussão foi muito além do meio dos quadrinhos e a obra de Nick Drnaso se tornou a primeira HQ indicada ao prêmio Man Booker Prize. Sabrina trata de fake news, conspiracionismo e do impacto de boatos e informações falsas nas vidas de cidadãos comuns ao narrar o desaparecimento da mulher que dá título à obra.

Entrevistei Drnaso para escrever sobre o lançamento da edição brasileira de Sabrina, pela editora Veneta, em tradução de Érico Assis (que também traduziu a entrevista abaixo). Esse papo virou matéria para o jornal O Globo. Escrevi no meu texto sobre as origens do livro, o desenvolvimento da obra, as técnicas e métodos do autor e a repercussão da HQ desde sua publicação em 2018. Você lê o meu texto clicando aqui.

Reproduzo a seguir a íntegra da minha conversa com Drnaso, na qual ele ainda fala sobre seu ambiente de trabalho, sua relação com outros quadrinistas e o suas leituras recentes. Leia a minha matéria, leia o quadrinho e depois leia a minha entrevista com o autor.

“Aconteceu de eu estar pensando em tragédias que ganham grande cobertura”

Quadro de Sabrina, HQ de Nick Drnaso publicada no Brasil pela editora Veneta

Antes de tudo, como você está? Como está lidando com a pandemia? Ela afetou de alguma forma a sua rotina de trabalho?

Tenho a sorte de conseguir dar continuidade ao meu próximo álbum em casa, em quarentena. Portanto, minha rotina diária não mudou grande coisa. Acho que minha produtividade segue a mesma.

Como você acha que essa realidade que estamos vivendo vai afetar o seu ambiente profissional? Você tem conversado com outros autores e editores sobre essa situação?

Não tenho como especular quanto ao que vem pela frente.

Você pode me contar um pouco sobre o ponto de partida de Sabrina? Você lembra de como surgiu a ideia desse livro?

Aconteceu de eu estar pensando em tragédias que ganham grande cobertura na mídia. Tinha muita coisa acontecendo naquela época, quando houve Sandy Hook aqui nos EUA. A única ideia que eu tinha no começo era que um cara iria morar com um amigo da Força Aérea depois que a namorada do primeiro desapareceu.

“Tudo é desenhado e finalizado no papel, ao modo tradicional, com materiais simples e alguns instrumentos”

Página de Sabrina, HQ de Nick Drnaso publicada no Brasil pela editora Veneta

Você poderia me contar um pouco sobre a sua dinâmica de trabalho? Quanto tempo você leva criando um roteiro? E depois quanto tempo você leva no desenho esse roteiro?

Eu escrevo um pedaço do roteiro de cada vez, algumas cenas por vez, aí passo para o desenho até finalizar. Vou e volto nisso até terminar a história. Aí geralmente eu tenho que voltar lá no início, editar e redesenhar algumas coisas que acabaram não fechando como eu gostaria. Desenhar e colorir sempre tomam mais tempo que escrever; acho que umas 20 ou 30 horas por página.

Com quais técnicas você trabalhou em Sabrina? Você tem preferência por alguma técnica em particular? Quais materiais você utiliza?

Tudo é desenhado e finalizado no papel, ao modo tradicional, com materiais simples e alguns instrumentos. A cor é digital. Tentei colorir tudo à mão com canetinha, mas percebi que o processo ficava lento demais e não me dava muita flexibilidade para mexer no final.

Eu gosto muito ritmo de Sabrina. Acho que os grids e quadros que você usa são fundamentais para determinar o andamento da leitura. Você concorda?

Sim, é certo que o grid que eu usei em Sabrina ditou o ritmo. Comecei o roteiro com esse grid em mente. Com essa possibilidade de quebrar um quadro grande em quatro menores, eu consegui muitas cenas de silêncio. O álbum em que estou trabalhando agora tem outro grid que não condiz com quadros pequenos, então o texto e ritmo são mais contidos. É bom fazer essa mudança depois de Sabrina.

“Tenho alguns arrependimentos em relação ao visual”

Página de Sabrina, HQ de Nick Drnaso publicada no Brasil pela editora Veneta

Você pode contar um pouco sobre o desenvolvimento de seus personagens? Você tem algum hábito particular de observar pessoas na sua rotina diária?

Meu primeiro álbum, Beverly, tinha mais personagens baseados diretamente em gente que eu conhecia. A vida e o emprego do Calvin de Sabrina, aliás, vieram de um amigo que trabalha na Força Aérea no Colorado. É um processo muito natural. Ele meio que surge assim que eu começo a trabalhar. Talvez eu só perceba que o personagem é baseado numa pessoa que eu conheço meses depois de entrar na história, o que sempre acho bizarro.

Há um padrão nas cores de Sabrina e Beverly. Qual é a sua abordagem em relação a cores? Por que essa paleta e esse estilo?

Limitar a paleta me ajudou nos dois álbuns. Tenho alguns arrependimentos em relação ao visual. Entendo onde eu queria chegar e como saí do rumo, mas é coisa do meu olho. Colorir no computador foi um processo relativamente novo pra mim quando comecei Beverly, então tentei ser simples e usar um monte de pastel suave. Mas queria poder voltar e aprimorar, em parte.

Vivemos em um período de extremismos crescentes e de conspiracionistas radicais que acreditam que a terra é plana, são contra vacinas e não querem ficar em quarentena durante a pandemia. São questões muito presentes em Sabrina. Esses temas são caros para você? Você passa muito tempo refletindo sobre os rumos da humanidade?

Eu me interessava pela cultura das teorias da conspiração antes de escrever Sabrina. Agora eu não acompanhado nada, nem por curiosidade.

“Não julgo nenhum tema com pressa, mas sei que eu tenho pontos cegos imensos”

Página de Sabrina, HQ de Nick Drnaso publicada no Brasil pela editora Veneta

E como você lida com fake news?

Olha, ninguém nesse mundo acha que está vendo notícia falsa ou distorcida, então é difícil pensar no que eu mesmo consumo de notícia. Tento fazer o que me é possível e não julgo nenhum tema com pressa, mas sei que eu tenho pontos cegos imensos e um nível de atenção menor do que gostaria de admitir

Tenho curiosidade em relação à sua visão do mundo no momento. Vivemos numa realidade na qual Donald Trump é o presidente dos EUA e Jair Bolsonaro é o presidente do Brasil. O que você acha que está acontecendo com o mundo? Você é otimista em relação ao nosso futuro?

Não tenho a mínima qualificação para responder essa pergunta, que é muito difícil. Se estivéssemos conversando por telefone, eu ia perguntar a você sobre o Brasil com Bolsonaro. Infelizmente não tenho nada de interessante ou particular a dizer sobre a situação dos EUA com Trump que não seja dito milhões de vezes, todo dia, sem parar.

O que você pensa quando um trabalho seu é publicado em um país como o Brasil? Somos todos americanos, mas são culturas muito diferentes. Você tem alguma curiosidade em relação à forma como um trabalho seu será lido e interpretado por pessoas de um ambiente tão diferente dos seu?

Com certeza! Não tenho noção de como nenhum álbum é lido em outro país, mas tenho curiosidade. Provavelmente eu teria que visitar o país para ter noção, mas não viajei muito na vida, até agora. Quem sabe isso mude.

“Sempre me interessei por desenho e era ávido pelos livros do Shel Silverstein quando era pequeno”

Página de Sabrina, HQ de Nick Drnaso publicada no Brasil pela editora Veneta

Você pode me falar como é seu ambiente de trabalho? Você poderia descrever o local no qual Sabrina foi criado?

Comecei a desenhar Sabrina usando o armário do meu apartamento antigo como estúdio. Era o único lugar da casa onde cabia minha mesa de desenho. Aí eu e minha namorada (hoje esposa) mudamos para outro apartamento e consegui montar o estúdio no quarto. Depois nos mudamos para o apartamento atual e, aqui, a mesa de desenho também fica no nosso quarto. É onde estou respondendo essa entrevista.

Eu nunca estive em Chicago, mas sei da relação da cidade com arquitetura, museus, autores de quadrinhos e arte em geral. Você se vê influenciada por esse ambiente tão criativo?

Eu cresci bem perto de Chicago e nunca morei em outra região, portanto é a única que eu conheço. Tive sorte de ver muitos quadrinistas por aqui, assim como escritores, escolas, museus, colégios. Sou muito satisfeito com o ambiente. Gosto da arquitetura e do inverno sombrio. Talvez isso tenha reflexo no jeito como eu desenho.

Qual a memória mais antiga da presença de quadrinhos na sua vida?

Eu só passei a ler e pensar sobre HQ depois que acabei o ensino médio. Sempre me interessei por desenho e era ávido pelos livros do Shel Silverstein quando era pequeno. Acho que foram os primeiros desenhos que me causaram uma reação.

“Gosto de muita coisa que não chega nem perto do jeito como eu trabalho”

Eu gostaria de saber sobre a sua relação com a crítica e com esse interesse crescente pelo seu livro por parte da imprensa. O que você sente ao ver o seu trabalho tão analisado e interpretado e tantas pessoas interessadas no seu quadrinho?

Consigo ler resenhas críticas e positivas sem grandes problemas, mas faço o possível para manter distância de menções ao livro no Twitter e lugares assim. Sou grato a todos que tiverem escrito o que quer que seja sobre o álbum, mas tenho uma autocrítica interna que me impede de absorver algo a fundo, seja bom ou mau.

Eu gostaria de saber o que são histórias em quadrinhos para você. Você tem alguma definição pessoal?

Não, não tenho opinião forte sobre a mídia. O que eu tenho é uma forma de trabalhar que criei pra mim, mas não é algo que eu colocaria pra outros. Gosto de muita coisa que não chega nem perto do jeito como eu trabalho.

“Tenho ouvido muito mais música nesse ano”

Quadro de Sabrina, HQ de Nick Drnaso publicada no Brasil pela editora Veneta

Você poderia recomendar algo que esteja lendo, ouvindo ou assistindo no momento?

Tenho ouvido muito mais música nesse ano. É muita coisa para citar. Estou lendo Praia de Manhatan, de Jennifer Egan, e curtindo. Depois vou ler The Broken Brain, de Nancy Andreasen. Há poucos dias eu e minha mulher assistimos Mal do Século, de Todd Haynes, e achamos ótimo.

Há uma mistura de melancolia e tristeza que está presente no seu trabalho e também nas obras de quadrinistas norte-americanos como Seth, Adrian Tomine, Chris Ware e Daniel Clowes. Você vê esse padrão? Você consegue elaborar alguma justificativa para o predomínio desses temas?

Identifico que há um padrão, mas não sei ao certo qual é. Produto desse ambiente, quem sabe. Ou porque a vida solitária do quadrinista atrai certo tipo de pessoa. Gostaria de ser mais objetivo nesse aspecto, mas me parece difícil, se não impossível.

A capa da edição brasileira de Sabrina, publicada pela editora Veneta
Entrevistas / HQ

Papo com Lobo Ramirez, autor de Supermercadinho Brasil: “Tentei me aventurar na dimensão das palavras”

Uma criança foi assassinada em um mercado. Dez pessoas estavam no estabelecimento no instante do ocorrido, todas são suspeitas do crime. As 72 páginas em preto e branco de Supermercadinho Brasil, nova HQ Lobo Ramirez, são focadas na investigação da morte da criança e na interação entre os indivíduos presentes no local quando o corpo foi encontrado.

Entre os suspeitos constam um policial com impulsos assassinos, uma senhora extremamente religiosa, um segurança racista, um rapaz com trejeitos de incel e outros tipos representativos da sociedade brasileira.

Publicada pela Escória Comix, selo do próprio autor da obra, Supermercadinho Brasil é marcada pela arte limpa, ao contrário das muitas hachuras e retículas que caracterizam Asteroides – Estrelas em Fúria, trabalho prévio de Ramirez. Também chama atenção a alternância entre as longas cenas de diálogo e as sequências de perseguição e extrema violência.

“Tentei claramente uma experimentação com diálogos, criando tensão, clima e suspense apenas com os verbetes certos”, diz Ramirez. Na conversa com o blog ele também falou sobre seus métodos de trabalho, tratou do desenvolvimento dos personagens de sua nova obra e lamentou o impacto da pandemia nas operações de sua editora.

Além de grande editor, Ramirez mostra-se também um autor versátil, crítico e engraçado. Supermercadinho Brasil é dos lançamentos mais certeiros dos quadrinhos brasileiros nesse primeiro semestre de 2020. A seguir, minha conversa com o artista:

“A serena calma de um monge guerreiro

Quadro de Supermercadinho Brasil, obra de Lobo Ramirez publicada pela Escória Comix

Queria começar sabendo como você tá lidando com a pandemia. Você tá conseguindo produzir durante esse período? Essa realidade de isolamento social afetou de alguma forma os seus trabalhos?

Putz, no começo disso tudo dei aquela travada, a cabeça despirocou e não consegui fazer nada, mas depois voltei ao normal, que já era o isolamento social mesmo, e agora estou produzindo normalmente. Se eu parar de desenhar aí que fico louco de vez. Foi o trabalho que me salvou.

E como seguem as operações da Escória Comix dentro desse mesmo contexto? Você já consegue dimensionar o impacto da pandemia para a editora?

Bom, justo esse ano, que eu tinha arranjado um calendário maneiro bem grandão e já tinha várias datas marcadas, com grandes estratégias de marketing, aconteceu essa pandemia. Eu quis rasgar tudo e jogar fora, mas mantive a serena calma de um monge guerreiro e tentei focar no que dava pra ser feito, assim sendo, as operações continuam enquanto os Correios funcionarem, mas vamos ir mais devagar nos lançamentos.  O impacto por enquanto é de apenas uma martelada bem forte no joelho, mas daquelas bem dada mesmo, que tu até cai no chão, mas ainda pode rastejar. 

“Se essa é a nova realidade, que assim seja”

Quadros de Supermercadinho Brasil, obra de Lobo Ramirez publicada pela Escória Comix

Você chegou a fazer uma enquete nas redes sociais perguntando o que as pessoas achavam de lançar agora ou não o quadrinho novo. Por que você decidiu lançar apesar da pandemia, das lojas fechadas e dos eventos suspensos?

Normalmente eu não faria essa enquete, porém tempos desesperados exigem medidas desesperadas e, para o meu espanto, 99,9% das pessoas disseram para lançar o quadrinho novo apesar do fim do mundo. Sendo assim, me senti seguro para lançar, afinal a previsão é que vai demorar para ter qualquer evento ou loja aberta, então não tem motivo para ficar esperando o mundo melhorar, até porque a tendência é piorar. Se essa é a nova realidade, então que assim seja.

Quadros de Supermercadinho Brasil, obra de Lobo Ramirez publicada pela Escória Comix

Agora sobre a Supermercadinho Brasil. Como e quando surgiu a ideia para essa HQ? Houve algum ponto de partida para esse trabalho?

Não estou conseguindo lembrar direito  quando surgiu a ideia, mas eu basicamente queria fazer um HQ que tivesse mais coisa da nossa gloriosa nação brasileira, uns cenários bonitos que a gente vê por aí e algo que mais gente pudesse se identificar. Cheguei a desenhar 20 páginas em março de 2019, porém era outra história que eu percebi que ia acabar se alongando muito até chegar na CENA DO MERCADINHO.  Então, depois de avaliar bem, minha vontade de fazer outra HQ “longa” (mais de 100 páginas) e perceber que eu não queria passar meses no mesmo projeto, decidi fazer uma HQ apenas com a cena do mercadinho. A ideia ficou entubada em meu crânio durante o ano todo de 2019 e eu já estava adquirindo experiências de laboratório cada vez que adentrava um mercado. Quando começou janeiro de 2020  eu já comecei a desenhar SUPERMERCADINHO BRASIL, que estava prevista para ser lançada no FIQ. 

“É a técnica da bunda quadrada, lápis, borracha, caneta nanquim e Chamequinho”

Quadro de Supermercadinho Brasil, obra de Lobo Ramirez publicada pela Escória Comix

Quanto tempo você levou produzindo esse quadrinho? Quais técnicas utilizou?

Só a parte de desenhar mesmo, quando decidi sentar e começar pra valer, foram três meses e meio. E basicamente é a técnica da bunda quadrada, lápis, borracha, caneta nanquim e papel sulfite Chamequinho. Houve uma grande experimentação artística com pincel véio em umas páginas também.

Um dos pontos altos desse livro para mim são os personagens. Como você elencou os indivíduos que estariam presentes no cenário do quadrinho? Como você estabeleceu quais seriam as personalidades que estariam envolvidas com o mistério relatado no quadrinho?

Eu fui pensando em vários estereótipos que poderiam estar ali e no começo tinha muito mais personagens mas fui juntando alguns e no fim foram esses aí que ficaram, as personalidades tentei misturar um pouco de amigos e conhecidos, cada personagem é umas três ou quatro pessoas que eu conheço.

Quadros de Supermercadinho Brasil, obra de Lobo Ramirez publicada pela Escória Comix

Ainda sobre esses personagens, acho que tá bem explícito que você se propôs a trabalhar com estereótipos de figuras marcantes da sociedade brasileira dentro de um mesmo cenário, lidando com a resolução de um crime. De todas essas figuras caricatas que compõem a sociedade brasileira hoje, tem alguma em particular que é mais repulsiva para você?

Cara, de todas ali acho que a figura que eu mais odeio mesmo, de verdade verdadeira, aquele ódio odiento, é a figura da religiosa.

Grande parte desse quadrinho é centrado em cenas de diálogos. Você chegou a finalizar o roteiro todo da HQ antes de começar a desenhar? A produção desse trabalho foi muito diferente, por exemplo, do desenvolvimento de Asteroides?

Tentei me aventurar na dimensão das palavras nessa HQ, claramente uma experimentação com diálogos, tentando criar tensão, clima e suspense apenas com os verbetes certos. Creio que consegui uma grande profundidade com uma pequena gama de palavrões e ofensas gratuitas. Mais uma vez eu não tinha um roteiro finalizado, apenas uma ideia geral do que ia acontecer e uns rascunhos de páginas. O texto eu nem tinha noção do que ia escrever e por isso mesmo fui desenhando os balões sem texto, apenas sabendo a intenção do personagem ali, saca? Depois eu poderia escolher as palavras certas e seria mais fácil modificar qualquer texto. No Asteroides, por exemplo, fui desenhando e escrevendo na hora, essa foi a maior diferença.

“País horrível, deveria mudar o nome para Brasilquistão e usar logo um Rider como bandeira”

Quadro de Supermercadinho Brasil, obra de Lobo Ramirez publicada pela Escória Comix

Aliás, comparando com o Asteroides, Supermercadinho apresenta uma arte muito mais limpa, sem as hachuras desse livro anterior, por exemplo. Você pensou em trabalhar algum estilo específico ou se propôs a fazer algo diferente em enquanto concebia esse quadrinho novo?

Sim, é bem mais limpinho o SUPERMERCADINHO BRASIL. A real é que eu curto muito as hachuras e as retículas que usei no ASTEROIDES, mas a ideia era que isso ia me poupar tempo e eu gastei o dobro do tempo para colocar tudo no computador depois, então dessa vez tentei resolver a arte sem as lindas e gostosas retículas e para isso busquei me inspirar nos trabalhos do Lawrence Hubbard, Elmano Silva e Benjamin Marra.

Qual é a sua leitura para o Brasil hoje, com Bolsonaro, coronavírus e tudo mais? Você tem algum otimismo em relação ao nosso futuro? 

País horrível, deveria mudar o nome para Brasilquistão e usar logo um chinelo Rider como bandeira. Não tenho nenhum otimismo em relação ao futuro mas também nunca tive muito otimismo. Talvez a gente consiga restabelecer o feudalismo e dar sorte dos senhores feudais locais serem alfabetizados. 

A capa de Supermercadinho Brasil, obra de Lobo Ramirez publicada pela Escória Comix
Entrevistas / HQ

Papo com Jason, autor de A Gangue da Margem Esquerda: “Estamos caminhando para uma catástrofe que mudará tudo. O futuro é muito incerto”

A Gangue da Margem Esquerda é o terceiro álbum do quadrinista norueguês Jason publicado no Brasil. O primeiro trabalho do autor lançado por aqui foi Sshhhh!, coletânea de histórias curtas e mudas que vão do humor ao macabro. Depois saiu Eu Matei Adolf Hitler, sobre um assassino profissional contratado por um cientista para viajar no tempo, matar o líder nazista e impedir o Holocausto e a Segunda Guerra Mundial.

Entrevistei o artista pela primeira vez em 2017, na época do lançamento de Sshhh! por aqui, e, depois, no ano passado, quando Eu Matei Adolf Hitler chegou às livrarias nacionais. Bati agora um novo papo com Jason, dessa vez sobre A Gangue da Margem Esquerda, obra vencedora do Prêmio Eisner de Melhor Título Estrangeiro no ano de 2007. Transformei essa conversa em matéria que você lê por aqui.

Reproduzo a seguir a íntegra da minha entrevista mais recente com o autor norueguês. Ele falou sobre a concepção da trama sobre um roubo envolvendo Ezra Pound, James Joyce, Scott Fitzgerald e Ernest Hemingway na Paris dos anos 1920; também tratou de suas técnicas e métodos de trabalho e expôs um pouco de seus temores sobre o impacto da pandemia do novo coronavírus no mercado de HQs. Saca só:

“Parte de ser quadrinista é que você já é praticante de distanciamento social”

Quadros de A Gangue da Margem Esquerda, álbum do quadrinista norueguês Jason publicado no Brasil pela editora Mino

Antes de tudo, como você está? Como você está encarando a pandemia do coronavírus? O contexto de isolamento social afetou de alguma forma sua rotina diária?

Parte de ser quadrinista é que você já é praticante de distanciamento social. Você trabalha sozinho em casa a maior parte do tempo, fazendo uma corrida ou respirando ar fresco de vez em quando. Portanto, não há grandes mudanças. Eu tento trabalhar um pouco todos os dias. Mas, como sempre, o YouTube é o grande inimigo. Você pode perder facilmente algumas horas por lá. E sempre há livros ou quadrinhos para ler.

Como você acha que essa realidade que estamos vivendo vai afetar o seu ambiente profissional? Você tem conversado com outros autores e editores sobre essa situação?

Não, eu não conversei com mais ninguém sobre isso. Mas sou publicado na maior parte das vezes por editoras pequenas, administradas por duas pessoas. E o mercado já é difícil, pelo menos na França, com muitas publicações novas a cada semana. Espero que todos os meus editores ainda estejam por aí e que as lojas de quadrinhos também se saiam bem quando meu próximo livro for publicado na próxima primavera.

“Lembro dos meus 30 e poucos anos como uma época em que me preocupava em ganhar dinheiro suficiente apenas para pagar aluguel”

Quadros de A Gangue da Margem Esquerda, álbum do quadrinista norueguês Jason publicado no Brasil pela editora Mino

Você pode me contar um pouco sobre o ponto de partida de A Gangue da Margem Esquerda? Você lembra de como surgiu a ideia desse livro?

Eu gosto do Hemingway e li muitas biografias sobre ele e sobre a Paris dos anos 1920. Foi um período emocionante, com muitas pessoas interessantes morando lá. Eu senti que era um bom lugar para ambientar uma história. Lembro dos meus 30 e poucos anos como uma época em que me preocupava em ganhar dinheiro suficiente apenas para pagar aluguel e pensando se tinha feito a escolha errada estudando ilustração na escola de artes e depois tentando ganhar a vida como ilustrador e quadrinista. Eu consigo me relacionar com muitos dos escritores na Paris dos anos 1920 também preocupados com dinheiro. E, por último, assisti ao filme O Grande Golpe, de Stanley Kubrick, que foi a inspiração para contar a história de um assalto fora de ordem cronológica.

Por que utilizar autores e artistas reais? E por que transformá-los em quadrinistas?

Para criar um distanciamento dos artistas, deixando claro que isso é uma fantasia e não fatos biográficos. Usei alguns fatos, mas ao mesmo tempo tive liberdade para inventar uma história. Além disso, achei engraçado transformar Hemingway e Scott Fitzgerald em quadrinistas.

“Você precisa aceitar que poderá fazer algo que ama, mas terá que enfrentar a realidade financeira como resultado”

Quadros de A Gangue da Margem Esquerda, álbum do quadrinista norueguês Jason publicado no Brasil pela editora Mino

Eu estava pensando sobre os dramas e dilemas desses artistas e autores na vida real e como eles poderiam ser semelhantes aos de quadrinistas. Você crê em muitas similaridades entre a vida profissional e as dificuldades de um pintor ou escritor e a vida profissional e os dilemas de um quadrinista?

Sim, acho que são praticamentes os mesmos para todos os artistas, sejam escritores, quadrinistas ou artistas plásticos. Na maioria das vezes, não há muito dinheiro envolvido. Você precisa aceitar que poderá fazer algo que ama, mas terá que enfrentar a realidade financeira como resultado. Sem grandes apartamentos, sem férias caras, sem carros sofisticados. A menos que você seja daquele sortudo 1% que terá um sucesso ou conseguirá um contrato de cinema e poderá ganhar muito dinheiro. Provavelmente, depois que morrermos, é que o dinheiro vai entrar.

O que você vê de mais especial na Paris dos anos 1920? Quais seriam as motivações para todos esses artistas se reunirem nesse mesmo local durante esse mesmo período?

Bem, a cidade era barata. E muitos desses expatriados americanos já haviam estado na Europa durante a guerra, como soldados ou motoristas de ambulância. Paris significava liberdade. Na América havia proibição. E talvez a distância torne as coisas mais claras. Hemingway viveu em Paris, mas escreveu histórias sobre sua infância e juventude nos EUA.

“Não tenho nenhuma rotina em particular, exceto não escrever um roteiro completo”

Quadros de A Gangue da Margem Esquerda, álbum do quadrinista norueguês Jason publicado no Brasil pela editora Mino

O quanto você acha que o mundo mudou nesse intervalo de 100 anos entre 1920 e 2020?

Eu não acho que as pessoas mudaram muito. A comunicação mudou. Há a internet e Iphones. Mesmo para mim, crescido nos anos 70, as coisas mudaram. Quando eu criança, na Noruega, havia uma estação de TV e uma estação de rádio. E as mudanças climáticas estão acontecendo agora, sabemos que o ambiente que nós demos como certo agora pode desaparecer, que estamos todos caminhando para uma catástrofe que mudará tudo. O futuro é muito incerto.

Eu gosto muito quando um autor se impõe algumas restrições. Penso nos seus grides fixos, por exemplo. Você gosta desse exercício? Há alguma restrição particular que te interessa mais?

Não vejo o gride como uma restrição. Para mim, ele é apenas esteticamente mais agradável. E assim um painel não recebe mais importância que outro. Cabe ao leitor decidir qual é importante. Então, na maior parte do meu tempo como cartunista, usei grides de 4 painéis, 6 painéis, 8 painéis ou 9 painéis. Houve um período em que fiz muitas histórias silenciosas. Isso foi uma restrição, não usar palavras. Bem, na verdade, eu não gostava de escrever, então ficou mais fácil não usar palavras. E então, em algum momento, esse se tornou o desafio, escrever diálogos. E agora eu gosto de uma combinação. Ter diálogo, mas também ter painéis silenciosos, se isso contar a história de maneira mais eficaz.

“Às vezes, tenho o começo e, enquanto estou trabalhando nisso, penso no que pode acontecer a seguir”

Quadros de A Gangue da Margem Esquerda, álbum do quadrinista norueguês Jason publicado no Brasil pela editora Mino

Você pode me falar um pouco sobre os seus métodos de trabalho? Você tem alguma rotina em particular? Você está mais habituado a alguma técnica em particular? A Gangue da Margem Esquerda foi todo com tinta e papel, certo?

Sim, é tudo tinta no papel. Não tenho nenhuma rotina em particular, exceto não escrever um roteiro completo. Improviso e crio a história enquanto estou trabalhando nela. Às vezes, tenho o começo e, enquanto estou trabalhando nisso, penso no que pode acontecer a seguir. Às vezes eu tenho pedaços de diálogos. Outras vezes, as imagens aparecem primeiro e eu decido o diálogo enquanto desenho. Às vezes, faço esboços em miniatura, faço a maior parte do trabalho diretamente na página. Atualmente, eu desenho principalmente com um grid de 4 painéis. Não preciso trabalhar cronologicamente, trabalho em sequências e as coloco na ordem correta no final. Isso facilita a edição do livro. Se uma página ou uma sequência não funcionar, eu posso removê-la, sem precisar substituí-la por outra coisa.

Você pode recomendar algo que esteja lendo/assistindo/ouvindo no momento?


Eu reli alguns quadrinhos que não pegava desde que comprei. Christophe Blain, o cartunista francês, já li muitas coisas dele. Eu pretendo ler alguns dos romances russos que desisti pela metade anteriormente, como O Idiota e Os Irmãos Karamazov. Estou revendo Memórias de Brideshead, a série de TV com Jeremy Irons. Eu revejo O Picolino e os velhos filmes de Fred Astaire e Ginger Rogers. Columbo é sempre divertida de assistir e muito relaxante. Eu não tenho Netflix nem uso streaming, então tudo isso é DVD. Música, há muito para mencionar. Ouvi alguns CDs de John Renbourn que acabei de ganhar. 

Quadros de A Gangue da Margem Esquerda, álbum do quadrinista norueguês Jason publicado no Brasil pela editora Mino
Entrevistas / HQ

Papo com Paulo Floro, coeditor da revista Plaf: “Queremos fortalecer cada vez mais a rede de lojas especializadas e espaços que vendem e fomentam a produção de quadrinhos autorais brasileiros”

A quarta edição da revista Plaf tem lançamento marcado para sábado, dia 25 de abril, às 16h, em uma live no perfil da loja e editora Ugra Press no Instagram. O evento será um bate-papo entre uma das coeditoras da publicação, a jornalista Dandara Palankof, e o editor e sócio da Ugra, Douglas Utescher.

A Plaf chega em seu quarto número tratando do futuro dos quadrinhos no Brasil, com textos abordando modelos de distribuição e o uso da linguagem das HQs. Entre os destaques da edição estão um texto assinado pelo editor da Veneta, Rogério da Campos, e uma entrevista da pesquisadora Maria Clara Carneiro com a quadrinista Luli Penna.

A publicação ainda conta com um texto da jornalista Gabriela Borges sobre obras experimentais, uma matéria sobre a democratização de eventos de quadrinhos, um perfil do quadrinista José Marcio Nicolosi e HQs de Adri A. e Henrique Magalhães. A capa é assinada pela quadrinista Amanda Miranda.

Além do lançamento dessa quarta edição da Plaf, também foi divulgado o novo site da publicação, no qual as três edições prévias estarão disponíveis para leitura gratuita.

Bati um papo por email com o jornalista Paulo Floro, coeditor da Plaf ao lado de Dandara Palankof e Carol Almeida. Na conversa a seguir ele fala um pouco sobre os destaques desse quarto número, faz um balanço da publicação até aqui e faz uma breve análise sobre os possíveis impactos da pandemia do novo coronavírus na cena brasileira de HQs. Saca só:

As três primeiras edições da revista Plaf (@RevistaPlaf)

A Plaf tá chegando agora em sua quarta edição. Qual balanço você faz desse projeto?

Estamos empolgados que o projeto esteja vivo e com novidades para o futuro, pois desde o início sabíamos das possibilidades que ele poderia alcançar. Já tinha experiência na cobertura de quadrinhos e na edição de um veículo, a Revista O Grito!, mas nada se compara a tocar uma edição impressa. É um desafio enorme e fico feliz que a gente tenha conseguido se manter, apesar de todos os percalços. Tivemos contratempos após a segunda edição, que atrasou o lançamento da 3, mas isso nos deu experiência para melhorar, sobretudo na questão da distribuição. Queremos fortalecer cada vez mais a rede de lojas especializadas e espaços que vendem e fomentam a produção de quadrinhos autorais brasileiros.

A cena de quadrinhos no Brasil segue forte e queremos colaborar com essa cena discutindo e refletindo sobre ela. Mesmo enfrentando uma crise financeira anterior a essa pandemia, vemos artistas e editoras interessados em explorar diferentes possibilidades dos quadrinhos e trazendo discussões interessantes, apesar das adversidades. É um momento bem interessante e estamos felizes em poder participar de alguma maneira.

Além desse número 4, estamos já editando a número 5, que sairá ainda este ano. E também já iniciamos conversas com parceiros para manter o projeto por mais tempo. Queremos também pensar projetos atrelados à revista, mas ligados aos quadrinhos, ainda tudo muito incipiente. Temos tido um bom retorno de leitores e artistas a cada número da Plaf e esgotamos praticamente as tiragens anteriores, então, acredito que o potencial da revista para crescer segue forte.

“É o tempo de descobrir o serviço de entregas de sua comic shop preferida ou pelo menos checar como eles estão se mantendo nesses dias de quarentena”

A capa da primeira edição da revista Plaf, com arte de Lu Cafaggi

O que você pode adiantar sobre o perfil do José Marcio Nicolosi e da entrevista com a Luli Penna?

O perfil do Nicolosi faz parte da nossa seção HQPedia, que tem como proposta fazer um perfil de autores e autoras brasileiras de diferentes épocas. Queríamos falar de alguém que tem um estilo muito próprio, mas que também atua no quadrinho mainstream brasileiro, que é o caso dele. O trabalho dele é incrível, tanto na Turma da Mônica quanto em sua série Fetichast. Já a entrevista de Luli Penna foi feita por Maria Clara Carneiro e traz uma conversa bem interessante sobre como os quadrinhos podem nos ajudar a recontar o passado, trazer novos olhares sobre o presente.

Gostei muito da capa dessa quarta edição da Plaf. Por que convidar a Amanda Miranda? Vocês passaram alguma pauta específica para a produção desse trabalho?

Somos suspeitos, mas essa capa de Amanda ficou mesmo linda. Quando ela nos enviou ficamos abobalhados, de cara. Pensamos nela depois de ler Hibernáculo, que é uma HQ incrível com um domínio grande da ambientação. É isso que mais curto no trabalho de Amanda, essa capacidade que ela tem de criar um clima específico, um “espaço” próprio, que te deixa preso ali. Como aconteceu com os outros autores da capa, nós conversamos sobre a pauta principal da edição, de uma maneira mais geral. Então ela sabia que falaríamos sobre futuro, mudanças, perspectivas, etc. Mas o direcionamento e visão foi totalmente livre. Tanto a capa quanto a HQ principal, também assinada por ela, comunicam bem o que queremos passar com essa edição.

A capa da segunda edição da revista Plaf, com arte do quadrinista e designer Mascaro

Essa quarta Plaf trata do futuro dos quadrinhos tanto em termos de linguagem quanto de negócios. Por que esses temas?

Nós editamos a Plaf 3 e 4 quase ao mesmo tempo e pensamos que uma maneira de encerrar essa primeira fase do projeto (#1 a #4) fosse falar de passado (a edição #3) e futuro (esta edição #4). Acho que isso nos ajuda a compreender esse momento atual ao mesmo tempo em que nos dá abertura para pensar possibilidades e perspectivas. Então, essa revista discute futuro em termos mercadológicos, como é o caso do texto de Rogério de Campos e da reportagem das novas convenções (PerifaCon/Palafitacon) como em linguagem, que é a matéria de Gabriela Borges. Mas tem também um olhar sobre o país a partir das HQs, como no papo sobre Sem Dó, da Luli Penna.

“A pandemia vai nos ajudar a entender melhor a importância de fortalecer uma cena onde todo mundo seja beneficiado”

A capa da terceira edição da revista Plaf, com arte da quadrinista Aline Lemos

Ainda sobre o futuro… O FIQ foi adiado, autores e editoras estão suspendendo lançamentos e lojas especializadas estão fechadas. Ainda estamos no olho do furacão, mas você já consegue dimensionar o impacto da pandemia do novo coronavírus no mercado brasileiro de quadrinhos?

Estávamos pensando em lançar a edição da 5 no FIQ e todo nosso planejamento estava voltado para isso. A 4 também seria lançada em São Paulo, estava tudo organizado. Acho que, em um primeiro momento, a quarentena deixou todo mundo sem eixo. Agora, ainda que eu tenha tentado ter uma atitude mais assertiva para esse momento, ainda acho tudo muito nebuloso, incerto. É um momento difícil, sobretudo por conta do contexto desse desgoverno que torna tudo ainda pior. Estamos trabalhando, isolados, na próxima edição e esperando definições.

Para esta edição 4 decidimos realizar um lançamento virtual, com uma live, porque acho que a cena precisa seguir, na medida do possível, ativa. É o momento da gente exercitar a solidariedade e pensar no que pode contribuir de alguma maneira. Ligar para a banca preferida, saber se estão entregando gibis, revistas. É o tempo de descobrir o serviço de entregas de sua comic-shop preferida ou pelo menos checar como eles estão se mantendo nesses dias de quarentena. E, mais do que nunca, ter a consciência de que o quadrinho é parte de uma economia criativa, não é diletantismo, e que todos os profissionais são afetados com esse isolamento.

Quando tudo isso passar, as grandes redes de livrarias e multinacionais como a Amazon terão sobrevivido (e talvez estejam ainda mais fortalecidas), mas aquela loja que te apresentava novos artistas e que guardava os lançamentos pra você, talvez tenha fechado as portas. Não gosto de ser aquele que fica dizendo onde a pessoa deve ou não comprar ou ficar policiando comportamentos de consumo, mas acho que essa pandemia vai nos ajudar a entender melhor a importância de fortalecer uma cena onde todo mundo seja beneficiado (artistas, editores, lojistas e público).

A capa da quarta edição da revista Plaf, com arte da quadrinista Amanda Miranda