Vitralizado

Entrevistas / HQ

Papo com Gabriela Güllich e João Velozo, autores de São Francisco: “A foto não torna o desenho mais verdadeiro, ela constrói a narrativa junto com o desenho”

Está marcado para as 18h de sábado (7/12), em João Pessoa (PB) o lançamento de São Francisco, reportagem em quadrinhos assinada pela quadrinista e jornalista Gabriela Güllich e pelo fotojornalista João Velozo. A sessão de autógrafos será no bar Recanto da Cevada (Rua Bancário Waldemar de Mesquita Três Ruas, Bancários).

São Francisco é fruto de uma jornada de 15 dias e mais de 1000 Km percorridos por Güllich e Velozo, saindo de Belém do São Francisco, no Pernambuco, e indo até Monteiro, na Paraíba, passando por todas as cidades do Eixo Leste da transposição do Rio São Francisco.

O livro de 110 páginas em preto e branco mescla as ilustrações em nanquim da quadrinista com os registro feitos pelo fotógrafo para tratar de três temas principais: água, seca e as obras da transposição. O diálogo mais próximo do álbum é com a trilogia O Fotógrafo, dos franceses Didier Lefèvre e Emmanuel Guibert.

“Nosso objetivo nunca foi usar a foto como uma ferramenta de ‘comprovação’ visual e sim como uma ferramenta de narrativa”, diz Güllich em relação à estrutura pensada por ela e seu parceiro de projeto.

Além da estética singular, também chamo atenção para as fontes consultadas pelos autores e para a decisão dos dois em não se apresentarem como personagens da HQ – hábito muito comum e nem sempre necessário em projetos de jornalismo em quadrinhos.

Na conversa a seguir, Güllich e Velozo falam sobre o ponto de partida de São Francisco, apresentam alguns bastidores da reportagem e expõem algumas de suas reflexões decorrentes da produção do álbum. Papo massa, saca só:

“Desde o início o formato foi pensado em quadrinho + foto”

Quadros de São Francisco, HQ de Gabriela Güllich e João Velozo

Qual foi o ponto de partida do livro? Vocês sempre estiveram certos em relação ao formato HQ + fotografia?

João: Joguei a ideia pra Gabi há uns dois anos, a gente já tinha trabalhado juntos pra Deutsche Welle e depois também publicamos na VICE Brasil (num modelo mais tradicional, foto minha e texto dela) e achei que tava na hora da gente tentar trabalhar com desenho e fotografia, então desde o início o formato foi pensado em quadrinho + foto. Na época ficou só na ideia porque ainda tinha muita coisa pra amadurecer. Aí no passado a Gabi publicou a HQ Quatro Cantos de Um Todo pelo Sesc Paraíba e já tava trabalhando na HQ-reportagem dela pro TCC sobre agricultoras assentadas na PB e eu estava trabalhando numa reportagem na mesma região do nosso itinerário, e resolvemos que seria um bom momento pra colocar a ideia em prática. Fui premiado com o Yunghi Grant 2018 por esse trabalho, o que garantiu meus custos da viagem, e a Gabi já vinha juntando dinheiro pra isso também. Traçamos um itinerário, fizemos nosso orçamento, decidimos a pauta e em janeiro desse ano fomos pra estrada.

Vocês levaram quanto tempo entre o início do projeto e o lançamento? Que tipo de planejamento vocês fizeram antes de dar início à apuração das histórias?

Gabriela: Considerando como ponto de partida o dia que a gente realmente sentou pra planejar custos, itinerário, pautas etc., que foi em meados de novembro do ano passado, até o lançamento (que aconteceu em novembro em Fortaleza e teremos mais um em João Pessoa e outro em Recife agora em dezembro), deu mais ou menos um ano de produção. Primeiro, nós traçamos um itinerário que seguiu as cidades do Eixo Leste da Transposição. Em seguida, nós escolhemos a pauta que abordaríamos em cada região pra facilitar a estimativa de tempo que passaríamos em cada cidade. E aí veio a questão do orçamento que envolveu basicamente passagens de ônibus, locomoção nas cidades, alimentação, estadia, custos com equipamento e custos com possíveis imprevistos.

Em relação a esse planejamento, o quanto ele mudou a partir do momento em que vocês saíram viajando para produzir o que viria a ser o livro?

João: Tivemos alguns gastos a mais com locomoção e o planejamento com o itinerário variava muito de acordo com as cidades, mas isso era algo que a gente já esperava. Às vezes pode acontecer de perder um dia inteiro de trabalho esperando uma única entrevista e às vezes parece que um dia inteiro rende mais do que uma semana.

“Monto uma estrutura de reportagem e adapto pra narrativa de uma história em quadrinhos”

Quadros de São Francisco, HQ de Gabriela Güllich e João Velozo

Como foi a dinâmica de trabalho entre vocês? O quanto a Gabriela influenciou nos trabalhos do João e vice-versa?

João: No começo da viagem ainda rolou umas adaptações, a Gabi precisava de referência visual pros desenhos e eu precisava focar na fotografia, então fiquei com minha câmera e ela com uma menorzinha mais pra filmar as coisas que interessavam nessa parte de narrativa sequencial do quadrinho.

Como foi o trabalho de decupagem do material que vocês reuniram? Vocês precisaram deixar muita coisa de fora?

Gabriela: A gente já viajou pensando nas três pautas principais, que são os capítulos do livro: água, seca e obra. Então na hora de selecionar os relatos, buscamos aqueles que mais correspondiam a esses temas. Nós entrevistamos muitas pessoas, então tentamos não colocar relatos que fossem muito parecidos e prezamos por aquelas histórias que tinham um pouco mais detalhes. Conseguimos utilizar um pouco mais da metade das entrevistas.

Encerrado esse trabalho de apuração, vocês chegaram a construir um roteiro fechado? Se sim, como foi esse trabalho?

Gabriela: Todo dia assim que a gente chegava do trabalho eu já abria o notebook pra transcrever as entrevistas, isso facilitou muito a produção do roteiro depois porque eu já tinha a fala completa pronta, era só fazer a decupagem. Fiquei responsável pelo roteiro porque já tinha essa experiencia prévia com quadrinho então fui organizando como geralmente faço: monto uma estrutura de reportagem e adapto pra narrativa de HQ.

Quadros de São Francisco, HQ de Gabriela Güllich e João Velozo

Gabriela, quais materiais você utilizou durante a produção desse livro?

Gabriela: Eu trabalho basicamente com tradicional, então levei um caderninho e uma caneta pra fazer rascunhos e anotações durante a viagem e quando realmente fui pra produção do livro trabalhei tudo com nanquim, fiz a arte-final toda na caneta e usei o Photoshop depois só pra ajustes de níveis e contraste mesmo.

Por que a opção pelo preto e branco? Em algum momento vocês cogitaram fazer o livro em cores?

João: O livro sempre foi pensado em preto e branco mesmo, é como eu fotografo na maioria dos meus trabalhos e é como a Gabi prefere trabalhar também.

É explícita a influência de O Fotógrafo no trabalho de vocês, principalmente pela mescla “fotografia + quadrinhos”. Esse trabalho foi a principal influência de vocês durante a produção de São Francisco? Houve alguma outra obra que influenciou o desenvolvimento do quadrinho de vocês?

João: Quando tive a ideia do projeto, emprestei O Fotógrafo pra Gabi dar uma olhada. Acho que foi o pontapé inicial mas não a principal influência, não acho que tenha tido algo muito específico, o livro é uma mistura de vários autores que gostamos junto com o nosso olhar.

“Prefiro deixar o foco da narrativa totalmente na pessoa que conta a história”

Foto presente no álbum São Francisco, HQ de Gabriela Güllich e João Velozo

Um padrão habitual em obras de jornalismo em quadrinhos está nos jornalistas se colocando como personagens das obras. Por que a opção de vocês em não se retrataram na HQ?

Gabriela: Eu prefiro deixar o foco da narrativa totalmente na pessoa que conta a história, é como trabalhei nas minhas produções anteriores também. Particularmente não acho que me desenhar ouvindo a pessoa seja algo necessário na narrativa – e isso eu acho um ponto legal da fotografia: você sabe que tem alguém fotografando, mas o foco visual é em quem tá do outro lado da lente, e é assim que eu prefiro trabalhar minhas reportagens.

Eu gosto de uma reflexão proposta pelo Joe Sacco no livro Reportagens que ele questiona “como conciliar a subjetividade inerente aos desenhos com a verdade objetiva que se aspira em uma matéria jornalística?”. Eu repasso a pergunta para vocês: como? Vocês acreditam que o uso de fotografias auxilia nessa aspiração à “verdade objetiva”?

Gabriela: Acho que seria um pouco presunçoso da nossa parte dizer que chegamos à fórmula secreta de como deixar o desenho ou até mesmo a foto totalmente objetivos. O que a gente busca é ser fiel à história que nos foi contada, mas é impossível retirar toda a subjetividade de um relato até porque o próprio relato já vem carregado da subejtividade de quem conta. O que podemos fazer é buscar estar de olhos e ouvidos abertos durante uma entrevista, tentando não trazer nossas impressões pessoais antes de ouvir o que a pessoa tem a dizer. Nosso objetivo nunca foi usar a foto como uma ferramenta de “comprovação” visual e sim como uma ferramenta de narrativa. A foto não torna o desenho mais verdadeiro, ela constrói a narrativa junto com o desenho.

“Nosso objetivo nunca foi usar a foto como uma ferramenta de ‘comprovação’ visual e sim como uma ferramenta de narrativa”

Quadros de São Francisco, HQ de Gabriela Güllich e João Velozo

Vejo muitos quadrinistas independentes lamentando a falta de um editor. Também sei como é difícil para jornalistas freelancers trabalhar sem o auxílio de um editor. Não consta no expediente da reportagem em quadrinhos de vocês nenhum crédito a editores. Vocês sentiram falta de alguém exercendo essa função? Como foi o trabalho de edição desse quadrinho?

Gabriela: Não tive editores nos meus últimos trabalhos em quadrinhos então fui pegando a experiência que adquiri pra montar essa estrutura do livro, mas já trabalhei com editores em matérias só com texto mesmo e sim, faz falta ter esse olhar. O que ajudou nessa parte foi contar com a Ana Gabriella, do projeto gráfico, e a Isabor, nossa revisora. Os apontamentos que elas faziam me ajudaram a construir melhor a edição do quadrinho.

João: Quando começamos a parte da elaboração do livro, falei com a Gabi que gostaria de alguém experiente pra fazer o trabalho de edição de fotografia, por isso convidamos a Cris Veit pra cuidar desse aspecto.

Eu queria saber um pouco sobre a experiência de vocês com o financiamento coletivo. O livro de vocês entrou no Catarse em uma temporada muito concorrida da campanhas de financiamento por conta da Comic Con Experience. Que balanço vocês fazem dessa experiência?

Gabriela: Olha, foi uma correria e tanto. A gente não vai lançar o livro na CCXP, mas eu tô em processo de mudança então não daria pra adiar o lançamento pro ano que vem, acabou que tivemos que pegar essa onda de catarses que é esse período de setembro a dezembro. No começo ficamos com um pouco de receio por não ser algo muito conhecido, o jornalismo em quadrinhos ainda tá ganhando espaço – tanto no mundo do jornalismo quanto no mundo dos quadrinhos -, ainda mais que resolvemos misturar desenho e foto… A campanha deu super certo, conseguimos arrecadar mais do que a meta prevista e foi bem legal perceber o interesse das pessoas no jornalismo independente.

“O que fica é a história e nossa profissão é ser testemunha dessa história, aconteça o que acontecer”

Quadros de São Francisco, HQ de Gabriela Güllich e João Velozo

Uma pergunta que tenho feito bastante aqui no blog: desde o dia 1º de janeiro de 2019 o Brasil é governado por um presidente de extrema-direita, militarista, pró-tortura, fascista, misógino, machista, xenófobo, homofóbico e racista que reflete muito do que a nossa sociedade é hoje. Vocês são otimistas em relação ao nosso futuro?

João: Não acredito que caiba ao jornalista ser otimista ou pessimista, enquanto jornalistas decidimos abdicar das nossas vivências e vozes para sermos veículos para a voz daqueles que mais precisam. No caso atual do Brasil, creio que devamos focar no nosso trabalho, mesmo com a máquina estatal comprovadamente sendo usada para espalhar mentiras, não há mentira no mundo que supere o julgamento da história. E se nós fizermos nosso trabalho bem feito, acordando todos os dias pela manhã com o ímpeto de contar historias, de contar a verdade, de ser essa caixa de ressonância para as vozes de quem está sofrendo, nós seremos peças fundamentais para que no tribunal da história os fatos sejam considerados e a verdade prevaleça. Esse governo vai passar, e nós passaremos por ele, pode durar quatro anos, pode durar vinte, o que fica é a história e nossa profissão é ser testemunha dessa história, aconteça o que acontecer.

No que vocês estão trabalhando agora? Vocês já têm algum próximo projeto em vista?

João: Por enquanto estamos mais focados em entregar as recompensas dos nossos apoiadores e fazer o livro circular, ainda vamos fazer a venda do livro digital em inglês também então temos vários detalhes a serem cuidados desse projeto ainda.

Gabriela: O João tem engatado projetos de fotorreportagem e eu tenho meus projetos de jornalismo em quadrinhos. Tenho flertado com a possibilidade de trabalhar um pouco com terror, venho conversado com uma roteirista e estamos vendo no que vai dar. Por enquanto, a única coisa certa mesmo é focar em colocar o São Francisco pra rodar.

Para encerrar: o que vocês veem de mais interessante sendo feito hoje no formato de histórias em quadrinhos?

Gabriela: Acho muito interessante o trabalho que a Carol Ito e o Pablito Aguiar vêm desenvolvendo com perfis e matérias curtas nesse campo do jornalismo em quadrinhos. Também tenho gostado bastante de acompanhar o trabalho de quadrinistas que conheci recentemente, como a Brendda Maria e a Débora Santos, do Ceará e a Luiza (ilustralu), do RN.

A capa de São Francisco, HQ de Gabriela Güllich e João Velozo
Entrevistas / HQ



Papo com Lobo Ramirez, editor do selo Escória Comix: “O que realmente importa é a essência de ir contra qualquer pensamento ignorante, falsos moralismos e fanatismos”



Escrevi na segunda edição da Sarjeta, minha coluna sobre quadrinhos no site do Instituto Itaú Cultural, sobre os trabalhos dos quadrinistas e editores Lobo Ramirez e Panhoca à frente dos selos Escória Comix e Pé-de-Cabra. Comentei algumas obras publicadas por eles e chamei atenção para a importância dos disparates lançados pelos dois em tempos de conservadorismo crescente como aqueles que estamos vivendo.

Compartilho aqui no blog as entrevistas que fiz com os dois autores antes de escrever a coluna, tratando da história de seus selos, de algumas das percepções deles em relação à cena de HQs na qual eles estão inseridos e sobre planos futuros de suas editoras.

No papo com Lobo Ramirez, ele ainda lembra de seu primeiro contato com alguns dos autores de obras que hoje compõem o catálogo da Escória Comix – como Arame Surtado (Ketacop – A Anticop), Emilly Bonna (Esgoto Carcerário) e Victor Bello (O Alpinista). Você lê a Sarjeta #2 clicando aqui, lê a entrevista com Panhoca clicando aqui e lê a seguir a minha conversa com Lobo Ramirez. Ó:

“Eu precisava de um nome que deixasse bem claro qual era a linha da editora…”

Quadro de Victor Bello presente em Úlcera Vórtex

Como surge a Escória Comix? Quando surge a Escória Comix?

Não lembro exatamente, mas acho que foi 2013 ou 2014 que comecei a lançar o zine ESCROTUM pelo selo Gordo Seboso. Era de forma despretensiosa, só pela diversão de fazer quadrinhos e por conta disso comecei a frequentar feiras de publicações independentes, como a Feira Plana e a Ugra Fest. Fui entendendo a maneira que as editoras funcionavam e como era publicar de forma independente. Depois de um tempo fui percebendo que a maioria das publicações eu não gostava, nenhum problema em ter uma esmagadora maioria de material que a gente não gosta sendo publicado, mas eu  sempre senti falta de ter o meu nicho também, então em 2016 decidi começar uma editora que agrupasse autores que seguissem uma linha editorial bem clara e específica, quadrinhos toscos, radicais, mal-educados, grosseiros, vulgares, despretensiosos e por último mas não menos importante com humor. 

Eu sabia que se mantivesse o foco todo dia, toda semana, todo mês, todo ano, uma hora ia dar certo, e se não desse, pelo menos eu tentei e poderia desistir sem peso na consciência.  Sigo focado na Escória Comix.

Por que o nome Escória Comix?

Eu precisava de um nome que deixasse bem claro qual era a linha da editora. Na época eu estava lendo Transmetropolitan, do Warren Ellis, e tinha um termo no quadrinho que era Nova Escória, achei interessante e tomei o ESCÓRIA como nome. A ideia é que tudo que é considerado marginal, desprezível, insignificante, tosco, estranho  pela sociedade é a escória. 

“Aos poucos a Escória Comix vem se tornando autossuficiente”

A capa de Esgoto Carcerário, HQ de Emilly Bonna publicada pelo selo Escória Comix

Qual é o público dos quadrinhos da Escória Comix?

Existe o público que eu gostaria de estar atingindo, ou que eu acho que poderia atingir, e o público de fato. Vou me basear em parte numas estatísticas do Instagram e  Facebook pra responder essa pergunta. A maior parte é de São Paulo, depois vem as cidades de Rio de Janeiro, Curitiba, Brasília, Porto Alegre e Fortaleza. 48% do público é de pessoas entre 25 e 34 anos, 24% tem entre 18 e 24 anos e 20% de pessoas entre 35 e 44 anos, sendo 79% de homens. A maior parte, eu percebo, é de pessoas que estão acostumadas a consumir material independente e alternativo. No geral o público da Escória Comix é bem variado mas não tanto como eu gostaria. Existe uma parte que compra os quadrinhos e gosta e uma parte menor de leitores fiéis que SÃO a escória e tem a mesma paixão que eu com essa tosqueira. Sou eternamente grato a essa gangue. Quem é sabe. 

A Escória Comix é um negócio rentável? Você administra a editora dentro de algum plano de negócios?

Não é, mas aos poucos a Escória Comix vem se tornando autossuficiente. Administro tudo sozinho e sou desorganizado e nem tenho formação ou conhecimento na área. A verdade é que eu me baseio na tentativa e erro, algo deu certo, tento replicar, se deu errado, tento não repetir. Total intuição. Sempre penso o que gostaria publicar e depois o que preciso fazer para realizar, nessa entram os outros produtos, tipo bonés, meias, jaquetas, etc. Cada muamba comprada ajuda no custo dos quadrinhos, que ainda não vendem tanto para se tornarem rentáveis. 

A capa do segundo volume de Úlcera Vórtex, de Victor Bello

Você vive exclusivamente da Escória Comix?

Não. Eu trabalho com ilustração e desenho para tudo que alguém precisar, como rótulos de cerveja, camisetas, capa de álbuns, logomarcas, etc…

Qual o maior sucesso de vendas da Escória Comix?

Sem sombra de dúvidas, eu diria que é o Úlcerta Vortex – Volume I do Victor Bello, mas  não tenho exatamente os números em mãos, pode ser que o NÓIA- Uma História de Vingança, do Diego Gerlach, tenha vendido mais, ou o Asteróides, já que se encontra praticamente esgotado.  

Como foi o seu primeiro contato com o trabalho do Victor Bello? O que você vê de mais especial no trabalho dele?

Foi quando me indicaram o zine dele, Feto em Conserva. Foi uma explosão de frescor e diversão ler aquele zine A5, preto e branco, em sulfite, grampeado, simples, mas potente. O Victor Bello tem um traço próprio bem desenvolvido e claramente possui um estilo de narrativa com abordagem 

“Acho que a única influência que eu sempre tive nas obras é sobre a capa, de resto é totalmente com o autor, eu sou meio chato com a capa”

A capa de O Alpinista, de Victor Bello

Como foi o seu primeiro contato com o trabalho da Emilly Bonna? O que você vê de mais especial no trabalho dela?

O Luiz Berger me enviou uns perfis de Instagram de ilustradores que poderiam ser a cara da Escória e o mais foda era um que usava o nome de NECROSE , era a Emilly Bonna. Curti demais os desenhos nojentos de criaturas deformadas, sempre amei monstrinhos. Ela tem um traço próprio e, desde que conheci o trabalho dela, só a vejo melhorando .

Como foi o seu primeiro contato com o trabalho da Arame Surtado? O que você vê de mais especial no trabalho dela?

Mais uma vez eu acho que foi o Luiz Berger que me mostrou pelo Instagram e de cara já curti os desenhos dela, ela claramente tinha as mesmas referências que eu, ou bem parecidas: filmes trash dos anos 80 e muito heavy metal. 

Como foi o seu primeiro contato com o trabalho do Fabio Vermelho? O que você vê de mais especial no trabalho dele?

Foi em alguma Revista Prego e depois na Revista Pé-de-cabra.  Sem sombra de dúvidas, é o desenho dele, o uso de hachuras é um tesão, sempre gostei desse tipo de traço e o Fábio Vermelho realmente sabe usar.  Não tem uma pessoa que, mesmo não gostando, não diga que ele desenha bem.

“Estou fechando uma parte das publicações de 2020 e por enquanto tem umas sete, sendo três delas de autores que nunca foram publicados pela Escória”

Quadro de O Alpinista, de Victor Bello

Como foi o seu primeiro contato com o trabalho do Diego Gerlach? O que você vê de mais especial no trabalho dele?

Acho que foi com algum gibi que ele publicou pela Prego, talvez o Ano do Bumerangue, ou em alguma outra antologia, mas só fui conhecer mesmo o trabalho dele depois que a gente se conheceu pessoalmente numa Desgráfica (não lembro qual ano). O Gerlach chegou num nível de consciência do próprio trabalho que só alguém que produziu bastante e por um longo tempo chega. O domínio da linguagem e o uso dos símbolos do próprio quadrinho são os brinquedos dessa criatura abissal que, por algum motivo sinistro, não ascende ao alto escalão.

Como é a dinâmica do seu trabalho como editor com os autores da Escória?

A primeira vez que me falaram algo do tipo “bom trabalho de editor” eu fiquei sem entender, porque pra mim eu não estava fazendo nada. Eu perguntava se a pessoa queria fazer um quadrinho e o autor entregava, eu só precisava decidir junto com o autor a capa que seria mais legal e mandar pra gráfica, qual era o trabalho? Mas depois, principalmente nas últimas publicações, eu influenciei em grande parte, pedindo pro autor manter um certo número de páginas, mas também não deu certo porque eles não mantiveram – eu sempre digo que a prioridade era a história, se fosse ficar melhor, tudo bem. Acho que a única influência que eu sempre tive na obra é sobre a capa, de resto é totalmente com o autor, eu sou meio chato com a capa e acredito que ela tem que ser impactante, porque isso ajuda a própria divulgação e venda do quadrinho. 

Depois fui descobrir que editor é o cara chato que pede pro autor mudar coisas no PRÓPRIO trabalho. Eu até entendo que em muitos casos a visão de um editor pode melhorar a história, mas pra ser sincero sempre li as histórias dos autores da Escória e nunca tive vontade de mudar nada, meus comentários sempre foram de apoio e o quanto eu estava achando boa a história, mas aos poucos estou começando a propor algumas ideia, porém para isso o autor tem que estar aberto.  No geral, acho que total liberdade é o melhor caminho.

A capa de NÓIA – Uma História de Vingança, de Diego Gerlach

Qual balanço você faz das publicações da Escória em 2019?

Comecei esse ano com altas expectativas, pela primeira vez comprei um calendário daqueles que dá pra ver todos os meses de uma vez e anotei todas as minhas pretensões de lançamentos do ano, eram mais ou menos uns 12 ou 13 títulos e até agora acho que consegui publicar seis. Então o balanço é: pense alto, faça metade que já é muito. Estou feliz principalmente com a qualidade do material publicado em 2019, pra mim foi o melhor ano da Escória.  

Você tem alguma meta para os quadrinhos da Escória para 2020? Você tem em mente algum número de publicações para o próximo ano?

Acho que a meta é tentar manter o ritmo de publicações, ter uma certa frequência de material novo e fresquinho para nossos mutantes do esgoto.  Vou tentar arriscar umas coisas diferentes também em 2020 mas por enquanto não posso falar nada. Estou fechando uma parte das publicações de 2020 e por enquanto tem umas sete, sendo três delas de autores que nunca foram publicados pela Escória. 

“Os três pilares para a Escória continuar existindo são: vendas no site + não levar calote das lojas + feiras de publicação”

A capa de O Deplorável Caso do Dr. Milton, de Fabio Vermelho

O que você vê de mais interessante acontecendo hoje nos quadrinhos brasileiros?

Sinceramente, eu não sei. Quase não leio mais quadrinhos. Acho que talvez o surgimento de várias obras que são consideradas ‘graphic novels’?  Minha percepção é que a 10 anos atrás tinha mais antologias e agora parece que tem mais autores publicando quadrinhos fechados. Mas eu falo muito da cena independente, específica que eu vivo. Acho que também que a quantidade de mulheres fazendo quadrinhos, às vezes parece que tem um monte agora porque a percepção é de um lugar que não tinha quase nenhuma, mas na real ainda tem muito pouca mina, a tendência é só crescer, logo logo vai aparecer a próxima novela gráfica dos quadrinhos brasileiros que vai ser de uma autora. 

Vivemos tempos muito conservadores, qual você considera o papel de uma editora de quadrinhos underground como Escória dentro desse contexto?

Os “quadrinhos underground” fazem parte de uma contracultura que é totalmente oposta ao conservadorismo, mas já que você citou esse termo específico quero dizer que  não gosto de usar o termo underground comix ou quadrinhos underground, porque pode acabar virando apenas um rótulo estético de certas influências, que eu não nego que a Escória Comix tenha com certeza, a gente bebe da fonte, mas o que realmente importa é a essência de ir contra qualquer pensamento ignorante, falsos moralismos e fanatismos. Uma editora que se propõe a ser um caminho fora disso tudo precisa buscar sempre estar de acordo com essa essência dentro do que se propõe que é publicar quadrinhos.

Quadro de O Deplorável Caso do Dr. Milton, de Fabio Vermelho

Qual a importância de feiras e eventos de quadrinhos e publicações independentes para a manutenção das atividades da Escória? 

Importância VITAL, os três pilares para a Escória continuar existindo são: vendas no site + não levar calote das lojas + feiras de publicação.  Nenhuma dessas coisas por si só segura a bronca no fim do mês, mas todas elas juntas já dão um respiro e aquela injeção na parada toda. As feiras são pontos cruciais é quando a gente pode fazer lançamentos e ter aquela resposta instantânea, divulgar o trabalho direto no olho no olho, conversar com várias pessoas que estão no mesmo rolê e ver uma parte do que está sendo produzido no momento.   

A capa de Asteróides – Estrelas em Fúria, de Lobo Ramirez
Entrevistas / HQ

Papo com Panhoca, editor do selo Pé-de-Cabra: “A gente vai continuar sendo um cadáver sentado na poltrona da sala, fedendo e apodrecendo e não deixando ninguém confortável”

Escrevi na segunda edição da Sarjeta, minha coluna sobre quadrinhos no site do Instituto Itaú Cultural, sobre os trabalhos dos quadrinistas e editores Lobo Ramirez e Panhoca à frente dos selos Escória Comix e Pé-de-Cabra. Comentei algumas obras publicadas por eles e chamei atenção para a importância dos disparates lançados pelos dois em tempos de conservadorismo crescente como aqueles que estamos vivendo.

Compartilho aqui no blog as entrevistas que fiz com os dois autores antes de escrever a coluna, tratando da história de seus selos, de algumas das percepções deles em relação à cena de HQs na qual eles estão inseridos e sobre planos futuros de suas editoras.

No papo com Panhoca, ele ainda lembra de seu primeiro contato com alguns dos autores de obras que hoje compõem o catálogo da Pé-de-Cabra – como Cristiano Onofre (Realidade), Pedro D’Apremont (Notas do Underground) e Galvão Bertazzi (Vida Besta). Você lê a Sarjeta #2 clicando aqui, lê a entrevista com Lobo Ramirez clicando aqui e lê a seguir a minha conversa com Panhoca. Ó:

“Investi meu 13º pra fazer acontecer esse lance de ser um selo de HQ independente”

Quadros de Pinacoderal: Rudimentos da Linguagem, de Diego Gerlach

Como surge a Pé-de-Cabra? Quando surge a Pé-de-Cabra?

Essa é um pergunta difícil. Acho que surgiu como ideia na minha cabeça num aniversário de 9 anos, quando ganhei Elektra – Assassina e Skreemer de um tio que tava sendo obrigado a por os gibis pra fora de casa porque casou e faltava espaço. Ou talvez em 2012, quando conheço o Diego Gerlach na primeira Gibicon e ele expande o meu conhecimento de HQ brasileira pra fronteira de outra paixão minha, o punk. Como empreitada mão na massa mesmo, ela surge em 2017, quando o Alex Vieira foi pra Portugal e percebi um vácuo deixado pela Prego, pela Samba, pela Gibi Gibi e tanta outras antologias que sempre foram meu formato favorito de HQ. A partir daí foi investir meu 13º pra fazer acontecer esse lance de ser um selo de HQ independente.

Por que o nome Pé-de-Cabra?

A lista de nomes que eu escrevi antes de finalmente fechar em Pé-de-Cabra é enorme. Desde “Pau no Cu do Mundo” até “Pé-de-Cabra” foram uns 30 ou 40 nomes. O nome acabou ficando pela utilidade do objeto. É o mal pelo mal, o vandalismo, o desrespeito à propriedade privada, a solução suja e sem volta pra abrir algo. A ideia de mundo contemporâneo na cabeça da classe média medíocre é a dualidade de ideias. Bem x Mal. Branco x Preto. O pé-de-cabra se posiciona instantaneamente do lado mal, que é o lado em que quero estar posicionado. Convido todo mundo a digitar Cidadão de Bem no Google e entender que a escolha é bem fácil.

“É o mal pelo mal, o vandalismo, o desrespeito à propriedade privada, a solução suja e sem volta”

A capa do quadrinista francês Pochep para a Pé-de-Cabra #1

Qual é o público dos quadrinhos da Pé-de-Cabra?

Eu ainda tô tentando entender isso. Eu sempre achei que o público era de adolescentes e jovens que pareciam comigo há uns anos, mas cada vez mais vejo que não consigo fazer uma distinção etária do meu público. Acho que é uma grande parte das pessoas que estão incomodadas com o cenário nacional e buscam na HQ uma diversão que sabem que não estão financiando alguém com ideia errada. E também acho que é um público que busca mais o entretenimento do que a “arte” (seja lá o que isso signifique). O cenário de HQ brasileira parece apostar muito nesse lado de sensibilidade e poesia sentimental. A nossa linha editorial aponta pra um lado mais inflamável do entretenimento. Acho que isso reflete bastante no tipo de público que temos. A gente vende muito para pessoas banguelas também.

A Pé-de-Cabra é um negócio rentável? Você administra a editora dentro de algum plano de negócios?

Depende. Desde que botei a grana pra Pé-de-Cabra #1, eu nunca mais precisei injetar grana ali dentro. Mas isso porque eu não pego nada pra mim e pago todas as minhas viagens do bolso. Então se é um selo que tem zero gastos e todo lucro fica nos cofres para publicar a próxima edição, então é rentável. Se eu tentasse viver disso eu tava muito fodido. Acho que nem os peixes grandes devem conseguir fazer isso. Angeli, Zimbres, Adão. Repara que todo mundo é artista plástico agora.

A capa da quadrinista Emilly Bonna para a Pé-de-Cabra #2

Você vive exclusivamente da Pé-de-Cabra? Você tem alguma carreira em paralelo à administração da editora?

Nada. Eu sou funcionário público (bibliotecário) fervoroso e torço pela estatização de absolutamente tudo. Não vejo a hora de comer a comida da sua geladeira, Ramon.

Qual o maior sucesso de vendas da Pé-de-Cabra?

Sem contar camisetas? Se eu investisse só em roupas eu quebrava a C&A em dois meses. Mas, ainda é muito cedo pra falar. A Pé-de-Cabra #1 vendeu super bem. O Notas do Underground tá a menos tempo em circulação, mas não me surpreende em nada se esgotar no próximo semestre também. Todas as publicações acho que já se pagaram, com exceção do Pinacoderal, que saiu não tem nem um mês mas tá vendendo acima da média. Acho que é porque os autores são muito bonitos fisicamente.

“Sou funcionário público (bibliotecário) fervoroso e torço pela estatização de absolutamente tudo”

Arte da quadrinista Fabiane Langona publicada na primeira edição da revista Pé-de-Cabra

Como foi o seu primeiro contato com o trabalho do Diego Gerlach? O que você vê de mais especial no trabalho dele?

Meu primeiro contato foi com Ano do Bumerangue, pra mim um marco na HQ nacional. Até então eu não havia visto uma apropriação de personagens norte-americanos para se contar uma história interessante. A maior parte dos trabalhos que via acontecendo isso eram paródias de humor (normalmente fracas) ou histórias mais do mesmo, num nível meio amador. Até hoje eu não entendo direito, mas é dessas HQs que releio com certa frequência, talvez pelo teor antimperialista-voodoo da coisa toda. Dessa primeira parte do trabalho do Gerlach eu gosto muito da quantidade de informação por quadros. Tudo pulsa ação o tempo todo. Cada objeto em cena tem uma energia inerte pronta a explodir. E basta dar uma olhada em qualquer história do Pinacoderal pra perceber que ele sabe como fazer uma cena de ação como poucos. Mas vai além. É fácil pegar uma história do Gerlach dessa época e cair nessas de achar que é só porradaria e é isso, vlw. Tem algo de anárquico na narrativa dele, diálogos bem construídos e frases de efeito que funcionam bem. É perceptível que o cara leu um monte de filosofia de gente puta antes de cheirar cola e escrever aquelas coisas ali. Ver essas histórias todas se perdendo pelo fechamento de revistas e tiragens esgotando foi um estopim pra que enchesse o saco dele até lançarmos o material todo coletado. Fiquei muito feliz com o resultado, mas ainda assim ressalto que passa longe de ser o melhor material dele. O trabalho atual dele em Know Haole ultrapassa o nível nacional, podia estar facilmente saindo na Fantagraphics. Chega de confete pra ele agora, senão me estendo por mais seis páginas.

Como foi o seu primeiro contato com o trabalho da Emilly Bonna? O que você vê de mais especial no trabalho dela?

Eu não tenho certeza, mas acho que foi pelo Instagram. Deve ter sido o Pablo Carranza quem me mostrou. A Emilly é um ponto fora da curva. Você conta nos dedos os artistas que você olha os primeiros trabalhos e já tem uma estética tão bem definida. Compare os trabalhos mais antigos de diversos artistas com o trabalho atual e vai ver o quanto o traço e a consistência das histórias muda. É cedo pra falar, mas acho que o dela não vai se alterar tanto: ela começou com uma estética e temática tão própria que você reconhece que é ela sem pensar duas vezes. É tudo tão desesperançoso e pustulento e nojento que dá sensação de o gibi ter sido impresso em esgoto. Deviam inventar uma tinta que literalmente fedesse pra imprimir os gibis dela. E ao mesmo tempo, toda aquela desgraça nojenta te prende porque as histórias são boas demais e o senso de humor dela é fantástico. Sou grande fã.

A capa da coletânea Pinacoderal: Rudimentos da Linguagem, obra de Diego Gerlach publicada pelo selo Pé-de-Cabra

Como foi o seu primeiro contato com o trabalho do Pedro D’Apremont? O que você vê de mais especial no trabalho dele?

D’Apremont é um desses caras que conheci antes de conhecer trabalho dele. Foi bem fácil de simpatizar com ele porque nós temos um (péssimo) gosto musical muito parecido. Acho que nossos primeiros diálogos foram sobre camisetas de bandas que estávamos usando ou algo assim. O D’Apremont tem uma coisa muito especial no trabalho dele porque ele subverte o que a gente vai esperar de um gibi de metal. O traço é extremamente limpo, cores bonitas e leves, facilmente seria um desenho animado da Nickelodeon se ninguém lesse o texto e prestasse atenção nas histórias. E ele tem consciência do quão chato o metal, o punk, e todo rolê do rock consegue ser. Basicamente ele consegue fazer gibis de música bons porque ele reconhece o quão tosco é grande parte daquilo tudo. Metade dos caras que tão por aí fazendo HQ de humor se levam a sério demais. Metade dos caras do planeta se levam a sério demais. O Pedro faz isso da forma certa: ele leva o desenho a sério e tira sarro de todo o resto. Conversa com ele e vai ver que ele estudou MUITO tudo que é cartunista e estilos. A quantidade de referência que ele tem é absurda. Ainda torço pra Netflix animar algo dele.

Como foi o seu primeiro contato com o trabalho do Galvão Bertazzi? O que você vê de mais especial no trabalho dele?

O Galvão Bertazzi além de ser muito bonito também tem uma ótima lábia. Ele devia ter seguido a carreira de galã global nos anos 90, mas preferiu ir pelo lado difícil da vida. Meu primeiro contato foi um gibi que ele me vendeu num evento da Itiban que eu fui pra comprar um gibi do Eduardo Medeiros. O formato de tiras é algo que muito artista começa por ali, mas são poucos os que conseguem desenvolver uma piada em tão poucos quadros. Galvão tem uma potência enorme nisso. Rola muito esse papo sobre o que o humor tem ou não tem que ser. Ele sabe direcionar isso. Ele sabe que o humor ofende e ele sabe muito bem QUEM ele quer ofender. Ele quer ofender o teu tio, o tio dele, a classe média quase inteira, os religiosos fanáticos, os pseudorrevolucionários, bom… Ele quer ofender praticamente todo mundo que MERECE MUITO ser ofendido. E faz isso com classe e ritmo absurdos. São poucos os dias que não tem tiras (e reacionários inflamados nos comentários) nas redes deles. Galvão foi o primeiro cara que fui atrás para publicar algo solo dele. Fico feliz que isso saiu da conversa.

“Dou sorte de trabalhar com autores que já conheço há alguns anos, sei mais ou menos como se comportam, o que comem e outras coisas que vi no Discovery Channel”

Quadros da HQ de Bruno Guma para a segunda edição da Pé-de-Cabra

Como foi o seu primeiro contato com o trabalho do Cristiano Onofre? O que você vê de mais especial no trabalho dele?

Eu conhecia o Cris de uns trabalhos dele pra revista Prego e de umas tiras que ele tinha na internet. Essas tiras e cartuns faziam uma vibe adolescente triste que nunca foi muito minha praia, mas sempre gostei muito dos desenhos dele. O Cris tem uma capacidade muito grande de ser sucinto em poucas palavras. A maior parte dos trabalhos dele que viralizam seguem uma estrutura básica: um desenho mais solto e uma frase curta grifada. Adiciona o elemento carioca de deboche com uma visão forte sobre a forma como consumimos o entretenimento e nos relacionamos e vai chegar ao trabalho dele. Eu vejo muito de uma versão carioca do David Shrigley no trampo dele. Ele é muito bom em provocar e tirar sarro de gente que nem percebe que tá sendo tirado sarro. É fácil demais imaginar famoso ficando putinho com o trabalho dele.

Como é a dinâmica do seu trabalho como editor com os autores da Pé-de-Cabra? O quanto você desenvolve e influencia na obra ao lado dos seus autores?

Eu tento dar o máximo de liberdade para desenvolverem os trabalhos. Se algo não tá funcionando aí eu converso e tento pensar junto com o autor sobre alternativas pra rolar melhor. E cortar asas porque no final a gente é um selo fodido financeiramente. Acabamos sendo muito limitados pelos preços de impressões. Até agora não tivemos muitos problemas, mas a maior parte das publicações são de histórias que já existiam, então pouca coisa foi realmente alterada. Dou sorte também de trabalhar com autores que já conheço há alguns anos, sei mais ou menos como se comportam, o que comem e outras coisas que vi no Discovery Channel.

A capa do álbum Notas do Underground, de Pedro D’Apremont

Qual balanço você faz das publicações da Pé-de-Cabra em 2019?

Esse ano foi péssimo pro país. A gente toma uma atrás da outra, então eu me sinto até meio culpado da Pé-de-Cabra fechar o ano BEM. O ano foi ótimo pra gente! De duas publicações, fechamos o ano com seis, todas vendendo legal e com um retorno bom do público e da crítica, sem tirar o pé e fazendo o que a gente mais gosta: HQ de maloqueiro. Fecho o ano feliz com as apostas e olhando positivo para 2020.

Você tem alguma meta para os quadrinhos da Pé-de-Cabra para 2020? Você tem em mente algum número de publicações para o próximo ano?

Os últimos lançamentos já renderam o dinheiro necessário para imprimir a terceira edição da revista. Estou trabalhando nisso desde já. Além disso tem outras duas ou três HQs que talvez saiam em 2020. Tudo sempre depende de eu conseguir manter a peteca sem cair, vender bem, não ter filhos, não ser preso, morto, etc etc.

O que você vê de mais interessante acontecendo hoje nos quadrinhos brasileiros?

É clichê falar em diversidade, né? Mas é bom ver quanta coisa nova vem surgindo e está para surgir. Eu gosto muito dessa corrente que tá rolando abaixo do grande radar. Nós temos a Mino, a Veneta, a Zarabatana, o Pipoca e Nanquim publicando uns medalhões nacionais e alguns autores novos mais garantidos de retorno e abaixo deles tem a galera independente, que é onde meus olhos estão. A gente pode apostar mais. A gente não vive unicamente disso.

Eu gostei muito dos lançamentos da Escória Comix. Destaco a HQ de estréia da Arame Surtado, Ketacop; Esgoto Carcerário, da Emilly Bonna; e finalmente o Fábio Vermelho fazer coisa em português. Fiquei feliz de ver um novo gibi dos O Miolo Frito que são sempre um destaque; João B. Godoi e Kainã com trabalhos novos; lá no sul teve uma HQ nova da Tietbo que me deixou com vontade de ler algo mais longo dela. Isso só falando na galera que tá imprimindo. O Instagram, mesmo com o alcance reduzido, parece proliferar cada vez mais gente. Tem muita gente boa por lá. Pietro Soldi, Iara Darkka, Fronha, João Silva… enfim, a lista vai longe. É difícil escolher só alguns destaques.

“A gente não usa dinheiro público e tá cagando pro que qualquer pastor, cidadão de bem, dentista, e odiadores no geral pensam”

A capa do álbum Realidade, do quadrinista Cristiano Onofre

Vivemos tempos muito conservadores, qual você considera o papel de uma editora de quadrinhos underground como a Pé-de-Cabra dentro desse contexto?

Conforme eu falei ali em cima, a Pé-de-Cabra tá voando baixo, o radar não acha a gente. Isso nos dá uma liberdade maior para bater e abordar temas polêmicos. A gente não usa dinheiro público, a gente não tem necessidade de retorno financeiro e a gente tá cagando pro que qualquer pastor, cidadão de bem, dentista, e odiadores no geral pensam. O pirú dos políticos não funciona? Poxa. Eles ficam putinhos com desenhos? Eu fico ~bolado~. Tua vizinha fica pistola se alguém fala do diabo? Que pena, né? Essa galera toda não saca o que eles fizeram com quem mora desse lado do muro. A gente morreu. Sem entrar no Belchior, a gente continua morto. Mas a gente vai continuar sendo um cadáver sentado na poltrona da sala, fedendo e apodrecendo e não deixando ninguém confortável. PEGA FOGO, CABARÉ.

Qual a importância de feiras e eventos de quadrinhos e publicações independentes para a manutenção das atividades da Pé-de-Cabra?

As feiras e os eventos em geral são nossa principal forma de contato direto com o público. Claro que a gente consegue passar vergonha online, mas ao vivo a gente tem a oportunidade de mostrar que não estamos com a saúde bucal em dia e despertar sentimentos de pena no público. Grande parte das nossas vendas são feitas dessa forma. Além disso podemos levar em consideração que todas nossas publicações são pensadas de acordo com o conteúdo. Por exemplo: o Notas do Underground é um gibi com foco no público que frequenta shows, um gibi colorido, em formato revistona. Ele tem aquele formato e aquele papel específico pensado em como o conteúdo e as cores ficam nele. Isso acontece em todas as outras publicações. Esse tipo de coisa só vai ser perceptível com o público tendo contato com o nosso material. Tirando são Paulo e Curitiba, quase nenhuma cidade tem lojas especializadas em HQ independente. Fica difícil conseguir mostrar nosso trabalho sem esse contato olho no olho onde prevalece minha lábia barata de vendedor alcoólatra. Quando o público para pra olhar minhas coisas nos eventos eu consigo conversar um pouco com eles e indicar melhor o que eu acredito que eles vão gostar.

A capa da coletânea Vida Besta, de Galvão Bertazzi
Cinema / HQ / Séries

Vitralizado #86 – 11.2019

Dezembro, cara. Acho que logo mais vou tirar uns diazinhos de folga aqui no blog, porque 2019 não tá fácil pra ninguém. Mas ainda tenho mais uma ou outra cartinha boa na manga para as próximas semanas. Enquanto isso, deixo vocês com o sumário do Vitralizado em novembro, um filtro do que rolou de mais importante por aqui. Saca só:

(peguei a arte que abre o post lá do tumblr do sempre incrível Mattias Adolfsson. Aliás, recomendo algumas horas nesse site dele, viu?)

*Compartilhei por aqui uma reflexão sobre a remuneração de profissionais para a mediação de eventos de histórias em quadrinhos. O tipo de coisa que deveria ser óbvia para todo mundo, mas parece que nem todos têm essa mesma clareza. Escárnio, né? Ainda mais quando saem ostentando por aí as cifras circulando em torno desses evento;

*Entrevistei o mangaká Naoki Urasawa, autor de obras como Pluto, 20th Century Boys e Monster. Viu o especial que produzi sobre o artista e exposição dele rolando aqui em São Paulo? Depois também publiquei a íntegra da minha conversa com o quadrinista;

*Já está no ar a segunda edição da Sarjeta, minha coluna mensal sobre histórias em quadrinhos no site do Instituto Itaú Cultural. Dessa vez escrevo sobre as obras dos selos Escória Comix e Pé-de-Cabra, disparates necessários em tempos de conservadorismo crescente;

*Entrevistei o quadrinista Jão sobre o lançamento da coletânea Parafuso #1;

*Bati um papo com o quadrinista e editor Sergio Chavez sobre a 17ª Café Espacial;

*O quadrinista Kainã Lacerda publicou por aqui um especial sobre os bastidores da criação de sua mais recente obra: A Ascensão, O Auge e A Queda do Bebe-Mijos;

*Divulguei prévias de duas revistas muito aguardadas por aqui: o terceiro número da Plaf e a terceira edição da revista Cavalo de Teta;

*Já assistiu essa entrevista aqui do Charles Burns?;

*Rolaram dois posts sobre o Chris Ware: compartilhei uma capa assinada por ele para um especial do Guardian sobre Rusty Brown e um papo entre ele e o designer Chip Kidd para o podcast Design Matters;

*Deixei registrada por aqui a capa da 82ª edição da Little White Lies;

*Mediei um papo com o quadrinista Rafael Coutinho no Espaço Breu sobre o lançamento de O Beijo Adolescente – Volume 1, pela editora Todavia. Logo mais tento transcrever esse papo e publico por aqui. Talvez. Se der tempo. Será? Acho que fica pra 2020…;

*Encerro com um brinde procê que veio tão longe nesse sumário. Porque não teve nada mais bonito em novembro de 2019:

>> Veja o que rolou no Vitralizado #85 – 10.2019;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #84 – 09.2019;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #83 – 08.2019;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #82 – 07.2019;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #81 – 06.2019;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #80 – 05.2019;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #79 – 04.2019;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #78 – 03.2019;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #77 – 02.2019;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #76 – 01.2019;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #75 – 12.2018;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #74 – 11.2018;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #73 – 10.2018;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #72 – 09.2018;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #71 – 08.2018;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #70 – 07.2018;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #69 – 06.2018;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #68 – 05.2018;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #67 – 04.2018;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #66 – 03.2018;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #65 – 02.2018;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #64 – 01.2018;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #63 – 12.2017;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #62 – 11.2017;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #61 – 10.2017;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #60 – 09.2017;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #59 – 08.2017;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #58 – 07.2017;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #57 – 06.2017;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #56 – 05.2017;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #55 – 04.2017;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #54 – 03.2017;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #53 – 02.2017;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #52 – 01.2017;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #51 – 12.2016;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #50 – 11.2016;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #49 – 10.2016;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #48 – 09.2016.

Entrevistas / HQ

Papo com Jão, editor da coletânea PARAFUSO 1: “Minha ideia foi fazer uma investigação sobre os recursos da linguagem das narrativas gráficas com o auxílio de restrições criativas”

Caso você esteja em Belo Horizonte no próximo sábado (30/11), recomendo um pulo na Livraria da Rua (R. Antônio de Albuquerque, 913, Funcionários), a partir das 13h, para o lançamento da coletânea PARAFUSO 1. Editada e idealizada pelo quadrinista Jão, o álbum de narrativas gráficas experimentais conta com trabalhos de 12 artistas de Belo Horizonte além do autor responsável pelo projeto: Aline Lemos, Batista, Bruno Pirata, Daniel Pizani, Estevam, Faw Carvalho, Gabriel Nascimento, Ing Lee, João Belo, Julhelena e Priscapaes.

Parceria das editoras Pulo e Miguilim, PARAFUSO 1 tem 48 páginas e é fruto de um período de três dias de trabalhos dos 12 artistas envolvidos no projeto no Laboratório de Quadrinhos Potenciais coordenado por Jão em janeiro de 2018. O Laboratório inclusive já rendeu dois posts de bastidores aqui no blog: um no qual Jão escreveu sobre a origem do projeto e outro sobre os temas e das restrições impostas aos artistas participantes. Também compartilhei por aqui uma prévia de sete páginas da PARAFUSO 1.

Às vésperas do lançamento de PARAFUSO 1 eu bati um papo com Jão sobre a criação, o desenvolvimento e a publicação da coletânea. Ele falou sobre a dinâmica dos trabalhos do Laboratório de Quadrinhos Potenciais, suas inspirações no OuBaPo, a opção pela cidade como tema central da obra e uma explicação didática sobre seu “universo PARAFUSO”. Como sempre, conversa bem massa. Saca só:

(na imagem que abre o post, quadros do trabalho de Ing Lee para a coletânea PARAFUSO 1)

“Minha ideia foi priorizar as trocas a partir do convívio de produção em conjunto”

Quadros do trabalho de Bruno Pirata para a coletânea PARAFUSO 1

Os quadrinhos presentes na PARAFUSO 1 foram criados durante o Laboratório de Quadrinhos Potenciais que você organizou em janeiro de 2018. O que foi o Laboratório? Como você concebeu esse projeto?

O Laboratório de Quadrinhos Potenciais foi uma residência artística que criei para desenvolver trabalhos em conjunto com outros profissionais que já tinham experiências com publicações impressas. É importante frisar que a proposta não era direcionada apenas para quadrinistas, mas também para pessoas de outras áreas ligadas às artes visuais, que poderiam contribuir por meio de um certo deslocamento em relação aos quadrinhos, o que é ótimo. Minha ideia, ao desenvolver a atividade, foi priorizar as trocas a partir do convívio de produção em conjunto, assim como fazer uma investigação sobre os recursos da linguagem das narrativas gráficas com o auxílio das restrições criativas do OuBaPo. Ao longo dos encontros uma série de exercícios foram propostos para os artistas, com várias limitações pré-estabelecidas, para analisarmos, em conjunto, a forma como esses desafios seriam trabalhados. Os resultados são incríveis e muito do que foi discutido no período está transposto na PARAFUSO 1! Além disso, temos ainda uma quantidade grande de páginas prontas para lançar em uma publicação futura.

“As histórias e narrativas presentes na PARAFUSO 1 ganharam outras dimensões para mim”

Página de Aline Lemos presente na coletânea PARAFUSO 1

Quase dois anos depois dos encontros do Laboratório de Quadrinhos Potenciais, a PARAFUSO 1 está sendo finalmente lançada. Qual balanço você faz desse projeto? Você consegue fazer um comparativo entre o que imaginava que essa obra poderia ser e a versão que acabou sendo impressa?

Apesar do distanciamento em relação ao momento em que as histórias foram geradas e a publicação eu já tinha preparado a organização e como gostaria de apresentar este trabalho ainda no primeiro semestre de 2018. De todo modo, um lado bom da espera foi que quando retomei as conversas com a Miguilim, para finalmente lançarmos esse trabalho, percebi que as histórias e narrativas presentes na PARAFUSO 1 ganharam outras dimensões para mim, o que acho importante, pois não gostaria de desenvolver algo que ficasse datado. Ainda aprendo e ainda sou estimulado pelo que os autores criaram ali.

Por mais que você tivesse planos para o lançamento de uma obra impressa fruto do Laboratório de Quadrinhos Potenciais, esse é um projeto que você tinha controle mínimo em relação àquilo que era realizado pelos 12 autores. O que mais te surpreendeu nessa experiência?

Nossa, existem tantas surpresas! É difícil até criar uma lista, mas vou citar duas situações que me marcaram: 

Em primeiro lugar a produção da Ing Lee: até então ela não havia feito nenhuma história em quadrinhos, mas eu gostava muito do trabalho que ela desenvolvia com os zines e, em uma edição da Faísca, convidei ela para produzirmos alguma coisa juntos. Acabou que até o Laboratório não conseguimos, mas a participação dela na atividade e depois é fundamental para mim. A Ing tem uma energia e uma vontade, assim como uma sabedoria gráfica e narrativa, que sempre me levam a lugares que ainda não tinha estado. Desde os encontros do Laboratório que ela tem se tornado, cada vez mais, uma das grandes representantes dos quadrinhos em Belo Horizonte e no país.

A maior surpresa que tive, no entanto, foi com o trabalho do Batista: eu conhecia as obras dele por conta dos cartuns que lançava na internet e, até então, ainda não tinha visto nenhuma narrativa um pouco mais longa feita por ele. Lembro de uma conversa durante o Laboratório, que ele dizia que estava aberto e que queria experimentar situações que o tirassem da zona de conforto. Foi o que aconteceu. Quando a história que ele produziu chegou ao meu e-mail foi como uma explosão. O grau de amadurecimento e sensibilidade que estavam presentes nas páginas que ele enviou, e que estão presentes na revista, é gigantesco! É impressionante como, em apenas quatro páginas, ele consegue desenvolver algo tão denso, tão aberto, e que me fez pensar (e ainda estou) durante tanto tempo.

“O OuBaPo e a experimentação na linguagem eram isso: novos universos a serem explorados”

Página de Julhelena presente na coletânea PARAFUSO 1

Nos posts de bastidores que fizemos aqui no blog você falou sobre seu interesse em uma “forma lúdica de criação”. Foi lúdico o processo de criação desse livro? Quais são as suas principais lições e experiências e suas melhores memórias desse processo de criação coletivo com esses 12 autores que participam do livro?

Acredito que em janeiro de 2018, quando o Laboratório foi realizado, eu precisava encontrar novos motivos para seguir com minha produção autoral. Para isso optei por procurar paralelos com o momento e a energia que me fizeram começar minha carreira nos quadrinhos. O que descobri foi que, naquela época (2007, 2008…), eu não criava histórias como um modelo de trabalho, mas sim porque era divertido para mim. Era um universo completamente novo a ser explorado, o que sempre me instigou. Ao chegar nessa conclusão, percebi que queria construir algo assim tanto para as atividades como para uma forma de produzir quadrinhos que pudesse ser passada para outras pessoas. O OuBaPo e a experimentação na linguagem eram isso: novos universos a serem explorados. Ao partir desta premissa, elaborei alguns exercícios para guiar os encontros, mas outras atividades foram pensadas em conjunto também. A residência foi muito boa nesse sentido, pois percebi que todos ali estavam se divertindo ao produzir e elaborar histórias, foi meio que um jeito de sair do cotidiano. Dos retornos que tive dos artistas quando o Laboratório já havia acabado e cada um estava criando as narrativas que comporiam a PARAFUSO 1, também recebi muitas mensagens deles sobre o quanto estavam gostando de fazer aquilo. Percebo que a imersão nesses processos foi um bom respiro para os participantes e para a cena de Belo Horizonte.

“Foi estabelecido uma espécie de tema, que permeia toda a obra, que é a ‘cidade'”

Página de Estevam presente na coletânea PARAFUSO 1

Pelos prévias já divulgadas por você, chama atenção a variedade de estilos e técnicas presentes no livro. Como foi conciliar toda essa diversidade e dar unidade à coletânea?

Acho que já falei aqui no Vitralizado sobre o meu grande interesse pelo formato revista. Eu fui criado assim e é algo que me atrai demais. Essa experiência vai também de encontro com as antologias de quadrinhos, sejam elas gringas ou nacionais, sendo que a principal influência que tenho é da Graffiti 76% Quadrinhos, que era uma antologia editada aqui em BH. Nesse tipo de publicação é comum essas reuniões de variados estilos e técnicas. No caso da PARAFUSO 1, o que fiz foi organizar tudo de um jeito que fazia algum sentido para mim, mas que também pudesse contar uma história por meio da sequência de narrativas, que gerasse uma experiência de leitura mesmo. Além disso, foi estabelecido uma espécie de tema, que permeia toda a obra, que é a “cidade”. Não Belo Horizonte ou algum outro lugar determinado, mas o espectro de cidade. Sendo assim, meio que uma unidade já havia sido formatada desde o início.

Por que “a cidade” como tema desse projeto?

Quando estava elaborando o Laboratório de Quadrinhos Potenciais pensei que deveria encontrar um mote para ligar tudo aquilo que seria produzido na residência, mas estava com dificuldades para achar isso. Foi a Helen Murta, minha companheira e sócia na Editora Pulo, que sugeriu o tema “cidade”. Pesquei na hora essa ideia porque já era algo que estava muito enraizado em meu trabalho, mas percebi que seria legal que a troca de experiências entre os participantes partisse desse lugar para que outras conclusões sobre os centros urbanos fossem discutidas a partir da linguagem dos quadrinhos.

“Já tenho dois ou três universos distintos para números posteriores da PARAFUSO”

Página de Gabriel Nascimento presente na coletânea PARAFUSO 1

Você já lançou a PARAFUSO 0, agora esta lançando a PARAFUSO 1 e prometeu para breve o lançamento da PARAFUSO ZERO – Expansão. Qual a diferença entre cada um desses trabalhos? Por que esse interesse por parafusos?

Desde o início, com o lançamento da revista PARAFUSO 0, eu tinha definido que queria desenvolver 10 edições da PARAFUSO. A ideia, no início, era fazer duas ou três por ano, mas acabei percebendo que PARAFUSO é um projeto de vida, é meu laboratório e um jeito de dar vazão ao que estou pensando e criando como autor. Dessa forma, acho que o projeto vai me acompanhar durante um bom tempo.

Para complicar um pouco as coisas, percebi que as edições não precisavam, necessariamente, serem fechadas em um número. Então tenho trabalhado cada obra como um universo, que pode ter desdobramentos ou não.
O universo PARAFUSO ZERO é uma série sobre superseres, uma reflexão sobre a sociedade e uma jornada pelos estudos que tenho feito sobre autoritarismo e democracia, que são, no fim, o que tenho vivido e pensado. Ela está sendo ampliada por meio da construção do PARAFUSO ZERO – Expansão, que em breve será publicado.

Já o universo PARAFUSO UM é mais ligado à produção de quadrinhos do que sobre uma temática específica. A ideia é que outras antologias e outras formas de pensar o processo de confecção das narrativas gráficas sejam desdobrados a partir daí.

Como não me canso, já tenho dois ou três universos distintos para números posteriores da PARAFUSO. Vamos ver quando começo a trabalhar neles…

“Minha forma de apreciação para essa linguagem está muito mais focada na narrativa ou no desenho do que nos textos”

Página de Batista presente na coletânea PARAFUSO 1

O que mais te interessa em termos de quadrinhos hoje? O que você mais tem interesse em ler e tentar fazer e experimentar com a linguagem das HQs?

Eu tenho lido poucos quadrinhos nos últimos anos, apesar de ser bem nerd quando sismo de encontrar trabalhos por conta própria. Mas normalmente eu não leio quadrinhos, ou, pelo menos, não do jeito que costumamos tratar como leitura. Minha forma de apreciação para essa linguagem está muito mais focada na narrativa ou no desenho do que nos textos ou para saber o que acontece a seguir numa história. Tive uma conversa com o Bruno Pirata (que também participa da PARAFUSO 1), há algum tempo, em que chegamos juntos na conclusão de que os quadrinhos se tornaram um meio obsoleto para se contar histórias por conta de toda a quantidade de informação e mecanismos que existem, como Netflix, cinema, literatura etc. Estou muito mais interessado nos conceitos sobre a narrativa gráfica. Vez ou outra eu me pergunto os motivos para seguir fazendo quadrinhos e não partir para outros caminhos artísticos, mas sempre chego na conclusão de que esta é minha forma de expressão, é como consigo passar o que penso, que, de certa forma, é como segue o meu fluxo de pensamentos no cotidiano. Enfim, fui para um lugar bem distante do que me perguntou, então retomando: pesquiso muito sobre novos autores ou artistas que estão desenvolvendo trabalhos nessa linguagem pelo mundo. Sigo acompanhando também o que hoje pode ser considerado um recorte do nosso mercado, que seriam os trabalhos de vanguarda dos quadrinhos, aqueles que estão à margem, mas que empurram a nossa produção para frente, como o Gerlach, a Puiupo, a Lovelove 6, o Sica, o Odyr, o Dahmer, o Gabriel Góes, o Lucas Gehre, a Ing Lee, a Aline Lemos, e mais um monte de gente. E o Chris Ware sempre.

A capa da coletânea PARAFUSO 1
HQ / Matérias

Sarjeta #2: Os títulos dos selos Escória Comix e Pé-de-Cabra e disparates necessários em tempos de conservadorismo crescente

Está no ar a segunda edição da Sarjeta, minha coluna mensal sobre quadrinhos no site do Instituto Itaú Cultural. Dessa vez eu escrevi sobre os trabalhos de autores como Emilly Bonna, Fabio Vermelho e Victor Bello para os selos Escória Comix e Pé-de-Cabra, respectivamente capitaneados pelos editores Lobo Ramirez e Panhoca.

Chamo atenção para a originalidade das tramas de obras como Esgoto Carcerário, O Deplorável Caso do Dr. Milton e Úlcera Vórtex, disparates necessários em tempos reacionários. Na entrevista que fecha a coluna, bati um papo com a quadrinista Débora Santos, autora do álbum Lua Cheia e coautora de Sapacoco e Pombos!, em parceria com Márcio Moreira.

Você lê a segunda Sarjeta clicando no link a seguir: Sarjeta #2: Escória Comix e Pé-de-Cabra: respostas das HQs brasileiras a tempos sombrios.