Mukanda Tiodora, de Marcelo D’Salete, é a vencedora da categoria Histórias em Quadrinhos do Prêmio Jabuti 2023

Mukanda Tiodora, de Marcelo D’Salete, é a obra vencedora da categoria Histórias em Quadrinhos do Prêmio Jabuti 2023. A vitória do título lançado pela editora Veneta foi anunciada em cerimônia no Theatro Municipal de São Paulo, na noite de 5 de dezembro de 2023.  Com a vitória de ontem, D’Salete se torna o primeiro autor a vencer duas vezes a categoria Histórias em Quadrinhos do Jabuti. Ele já havia levado o prêmio em 2018, pelo épico Angola Janga (Veneta). Também é a terceira obra vencedora de um Jabuti de Histórias em Quadrinhos publicada pela Veneta. Além de Angola Janga e Mukanda Tiodora, a…

Papo com Marcelo D’Salete, autor de Mukanda Tiodora: “Não podemos imaginar um governo contra as populações negras, quilombolas, indígenas, pobres e mulheres, novamente assumindo o poder”

Como escrevi na minha reportagem sobre Mukanda Tiodora, é provável que o novo quadrinho de Marcelo D’Salete seja a grande HQ brasileira de 2022. O álbum de 224 páginas recém-lançado pela editora Veneta é uma ficção histórica sobre os esforços reais de uma mulher escravizada em busca de sua liberdade na cidade de São Paulo do século 19. A obra é baseada na história de Teodora Dias da Cunha, Tiodora, mulher escravizada originária das terras de Angola. Com auxílio de um homem escravizado alfabetizado, ela escreveu sete cartas, para diferentes destinatários, entre autoridades e familiares, tendo em vista sua alforria. D’Salete criou…

Marcelo D’Salete fala sobre Mukanda Tiodora: “Mostro outras estratégias da população negra em busca da liberdade”

Quando o quadrinista Marcelo D’Salete deu início aos seus trabalhos em Mukanda Tiodora (Veneta), ele tinha em mente um projeto menor. Seriam entre 40 e 60 páginas, possivelmente uma obra juvenil e quase sem texto. Eram propostas distintas de seus dois trabalhos prévios, os premiados Cumbe (2014) e Angola Janga (2017). O projeto cresceu, novos personagens surgiram e os temas tratados por ele exigiram novas pesquisas. Às vésperas de sua chega às livrarias nacionais, o livro ficou com 224 páginas. É uma ficção histórica sobre os esforços reais de uma mulher escravizada em busca de sua liberdade na São Paulo…